Santa Sara Kali e o Povo Cigano na Umbanda

Ouvir episódio

Por que os espíritos dos ciganos trabalham na Umbanda? Saiba a profunda ligação que os ciganos tem com o movimento umbandista e a sua devoção a Santa Sara Kali!

Transcrição do Episódio

Oi pessoal! Bom dia, boa tarde, boa noite! Estão todos bem? Sejam bem-vindos a mais um episódio do nosso podcast “Alma de Poeta”. A minha maior alegria aqui é poder compartilhar com vocês as minhas experiências de terreiro e os ensinamentos que eu fui recebendo, ao longo do tempo, tanto da espiritualidade que me acompanha quanto dos livros que eu fui lendo sobre diversos assuntos. Meu nome é Evandro Tanaka, eu sou médium umbandista e hoje eu quero homenagear uma linha de trabalho que eu acho fantástica! E essa homenagem se estende não só a esse povo tão alegre e festivo como também à sua padroeira! Eu estou falando do povo cigano e de Santa Sara Kali. Salve o povo cigano!!! Optcha!!!

Quando a gente fala do trabalho dos ciganos não Umbanda, nós estamos falando de uma linha totalmente independente. Os ciganos não se consideram da Umbanda, eles não se consideram de lugar nenhum, eles não se consideram de religião alguma. Eles têm a alma livre! Eles são o que eles querem ser e eles vão aonde eles querem ir. Esse é o espírito cigano. As Entidades ciganas falam que elas não pertencem à Umbanda, mas elas ESTÃO na Umbanda. E essa permanência pode ser longa ou breve. Depende apenas da vontade deles. De uma hora para outra eles podem resolver simplesmente levantar acampamento subir na carroça e ir embora, deixando apenas a saudade.


O engraçado é que, apesar dos ciganos desejarem se manifestar nos terreiros de umbanda, são poucos os lugares que dão espaço para a manifestação dessa linha. Teve uma vez que eu perguntei a uma Entidade cigana chamada Pablo porque às vezes eles desciam na linha da esquerda, às vezes eles desciam na linha do oriente. Não havia um padrão de casa para casa. Isso me deixava muito confuso. O Pablo então me respondeu que eles vinham no espaço que lhes era oferecido.


São poucas as casas que possuem uma gira exclusiva para os ciganos. Na maioria das vezes essas Entidades descem cruzadas com outras giras. Às vezes as ciganas são confundidas com pombajiras, às vezes são confundidos com a linha do oriente. E está tudo bem, está tudo certo para eles! Os ciganos têm muito essa característica de se misturar muito facilmente aos outros povos. Quando eles estão encarnados aqui na Terra, eles assimilam muito a cultura dos territórios que visitam.


Sabe aquele ditado? Se você está em Roma, aja como os romanos. É mais ou menos isso. Seja no Brasil, na Europa, na Ásia, onde quer que os ciganos vão, eles conseguem se adaptar muito facilmente à população local, mas sem perder os seus costumes, sem perder os seus valores. No mundo espiritual é a mesma coisa. Os espíritos que optam por continuar como ciganos no mundo astral, eles também têm essa facilidade de interagir com outras comunidades. Nossa! E a presença deles na Umbanda só faz enriquecer ainda mais a nossa religião! Vocês já participaram de uma gira cigana? É lindo demais!


Existem muitos estudos inconclusivos sobre a origem do povo cigano. Quando foi que iniciou esse movimento nômade pelo mundo? Os antropólogos apresentam várias teorias diferentes a respeito. Alguns dizem que os ciganos são originários da Índia, outros dizem que os ciganos são originários de uma região que se chamava Caldeia (e que hoje pertence ao Iraque). E é muito difícil a gente precisar com certeza onde tudo começou, porque os costumes ciganos são passados pela tradição oral. Não existem documentos, não existem registros históricos.


Os especialistas que afirmam que o povo cigano veio da Índia defendem essa ideia porque o idioma falado pelos ciganos, o romani, tem uma semelhança muito grande com alguns dialetos existentes no território indiano. Seria uma prova linguística de que existe um tronco em comum dos ciganos com os povos dessa região. Por outro lado, outros especialistas defendem que os ciganos vieram da região da Caldeia, por causa das lendas ciganas que remetem a passagens bíblicas e também porque desde eras remotas, eles já acreditavam em um deus único, assim como os povos semitas. Ao contrário do povo indiano que cultua várias divindades, o povo cigano acredita apenas em um Deus único e todo-poderoso que eles chamam de Devel. Daí o argumento daqueles que defendem que os ciganos vieram dessa região do Oriente Médio.


E vocês sabem por que os ciganos se identificam tanto com a Umbanda? Porque eles sempre foram marginalizados e perseguidos, em todas as épocas, em todos os lugares por onde passaram. Desde o século XIV, quando eles começaram a chegar na Europa, já houve uma intensa perseguição da igreja católica, através da santa inquisição (que de santa não tinha nada).


Os ciganos oscilavam muito entre o cristianismo e entre o paganismo. Mas independente do que eles acreditavam, ou da manifestação de fé que eles tinham, eram sempre considerados hereges pela igreja. Mais tarde, durante a segunda guerra mundial, os nazistas também perseguiram e mataram muitos ciganos. Mais ou menos 400 mil ciganos morreram em campos de concentração. É muita gente, né pessoal? Só de ciganos morreram quase a quantidade total de vítimas da covid 19 no Brasil. Uma história muito triste da nossa desumanidade.


E lá no plano astral, os ciganos começaram a se identificar muito com a Egrégora da Umbanda, justamente por essa energia acolhedora que nós oferecemos. Porque a Umbanda acolhe de braços abertos todos aqueles povos que foram oprimidos. Reparem que a Umbanda recebe, aceita e dá oportunidade de trabalho espiritual a todos os espíritos que, de uma maneira ou de outra, foram marginalizados ou perseguidos no mundo. Assim aconteceu com os pretos-velhos, com os índios, com os baianos (que carregam esse estigma de imigrante malvisto), com os malandros, pombajiras e com os ciganos. Cada uma dessas linhas veio enriquecer a Umbanda, trazendo seus ensinamentos e uma maneira muito própria de enxergar o mundo, enxergar a vida e enxergar a Deus.


Teve uma vez que o cigano Pablo estava conversando comigo (eu estou falando da Entidade, tá?). E ele me falou sobre um comentário que tinha ouvido de uma pessoa encarnada. A pessoa havia falado que não gostava do povo cigano porque sempre ouviu que os ciganos tinham fama de roubar crianças para trabalhar para eles.


Nesse dia, o Pablo explicou para mim o seguinte: durante a Idade Média, quando eles perambulavam pela Europa, a igreja e a sociedade da época eram muito intransigentes com relação a gravidez indesejada, principalmente de mães solteiras. Porque isso acabava com a reputação da moça e da família. Daí, o que acontecia? Quando as mães davam a luz, elas abandonavam os seus filhos recém-nascidos, ou em porta de conventos ou próximo a acampamentos ciganos. Porque elas sabiam que esses dois lugares cuidariam dos seus filhos.


E assim acontecia. Muitas e muitas vezes os ciganos se deparavam com bebês abandonados próximos aos seus acampamentos. E eles acolhiam essas crianças, adotavam e criavam elas como se fossem legítimos ciganos. Daí, as pessoas dos vilarejos, que não faziam parte do clã cigano, percebiam que vez ou outra aparecia um bebê no acampamento, sem que nenhuma das mulheres ciganas estivesse grávida. Então eles começavam a criar todo um enredo para explicar aquilo, dizendo até que os ciganos roubavam crianças para rituais de magia negra. Essa, pessoal, é a maledicência que sempre esteve presente no coração dos homens.


E como a gente está falando sobre ciganos, a gente não poderia deixar de falar sobre Santa Sara, a padroeira dos ciganos. Alguns chamam Santa Sara Kali, alguns chama Santa Sara de Cali. Bom, o nome não importa. O importante é saber que essa é uma entidade de luz venerada, não só pelo povo cigano, mas por muita gente. E olha só que engraçado. Santa Sara foi canonizada pela igreja católica em 1.712 só que até hoje a Igreja meio que esconde o culto à Santa Sara, como se isso fosse um motivo de vergonha. Não é estranho?


A palavra Kali, no idioma hebraico, quer dizer negro. E, por isso, Santa Sara Kali é representada quase sempre com a pele escura. E existem muitas histórias sobre ela, inclusive tem uma poesia que o Pai Antônio passou contando a história de Santa Sara. O fato é que, independente da versão histórica que nos é passada, Santa Sara é sempre relacionada com Jesus e também com Maria. Isso é incontestável. Sara teve um contato muito próximo com Maria de Nazaré.


E por falar em Maria de Nazaré, a mãe de Jesus, vocês sabiam que a Santa Sara Kali é muito invocada para questões de fertilidade? Pois é… principalmente entre o povo cigano. Quando uma cigana não consegue engravidar, ela pede a interseção de Santa Sara. E Santa Sara é muito famosa pelos milagres que tem feito com relação à fertilidade da mulher para ter filhos. É muito bonito entre o povo cigano a fé que as mulheres depositam em Santa Sara para gerar filhos. Elas fazem promessa à Santa e quando engravidam, elas vão até a Cripta de Santa Sara e fazem uma noite inteirinha de vigília, além de depositarem na cripta o seu dicklô, o lenço de cabeça. O que vocês encontram de lenços de cabeça na cripta de Santa Sara não é brincadeira, um mais bonito do que o outro!


Vamos ouvir a poesia que o Pai Antônio passou para gente sobre a Santa Sara?

Cinquenta anos se passaram 
desde a morte do Nazareno. 
E as perseguições que iniciaram, 
alastraram-se feito veneno. 

O imponente Império Romano, 
demonstrando força e poder, 
trouxe o exército pretoriano 
para os cristãos combater. 

Muitos soldados de Roma, 
interrogavam pessoas comuns, 
e ofereciam vultuosa soma 
pelo paradeiro de alguns. 

Por ordem da espiritualidade 
que a todos os filhos ampara,
planejou-se uma grande viagem 
para a distante Terra de Gália. 

Em uma pequenina embarcação,
exposta a perigos e tempestades,
as mulheres fizeram uma oração 
e iniciaram a sua viagem. 

Do lado esquerdo do barco,
acomodou-se Maria Salomé, 
mãe do apóstolo Tiago, 
mulher carregada de fé!

Ao seu lado, Maria Jacobina, 
oferecia um delicado sorriso 
para uma linda escrava-menina, 
de pele escura e olhar indeciso. 

Do outro lado, Maria de Nazaré, 
mãe valorosa do Mestre Jesus 
conversava com Marta e Salomé,
envolvida em delicada luz. 

A viagem iniciou-se tranquila,
Lázaro conduzindo a embarcação. 
Afastaram-se da pequena vila, 
sentindo todos grande emoção. 

Quando já estavam em alto-mar, 
começou um vendaval cruciante,
que fez o pequeno barco trepidar 
em meio às ondas gigantes. 

A pequena escrava, chamada Sara, 
elevou aos Céus a sua prece 
pedindo a Deus, que a todos ampara,
para que não os esquecesse. 

A escrava-menina, desesperada, 
em voz alta fez uma promessa: 
Que se todos chegassem a salvo 
de Jesus se tornaria confessa. 

Milagrosamente a tempestade cessou 
e as ondas do mar se acalmaram. 
O pequeno barco então continuou 
até que no porto atracaram. 

Em gratidão pela prece atendida 
fazendo cumprir a sua promessa, 
a escrava Sara, pelo resto da vida,
cobriu com lenço a sua cabeça. 

Quando chegaram em Petit-Rhône, 
mulheres brancas foram bem recebidas, 
mas a pequena Sara, sem sobrenome, 
de pele escura, por ninguém foi querida. 

Mas um pequeno grupo de ciganos, 
reparando no que tinha ocorrido, 
de gestos nobres e coração humano, 
ofereceram à escrava um abrigo. 

E cumprindo o que havia prometido, 
Sara tornou-se a serva do Cristo,
enquanto seu coração destemido 
dos ciganos tornou-se benquisto. 

Por onde passava, fazia milagres, 
curava doenças e aliviava a dor. 
E hoje, a Santa Sara Kali 
oferece a todos seu lenço de amor.

Não é uma poesia linda essa? Pelo que a história nos conta, após a morte de Jesus, começou uma perseguição implacável de Roma aos primeiros cristãos, àqueles que seguiam os ensinamentos do mestre jesus. Inclusive, o exército romano tentava subornar as pessoas, oferecendo dinheiro em troca de informações do paradeiro dos seguidores do Cristo. E orientadas ou inspiradas pela espiritualidade, essas pessoas decidiram fugir para outras regiões, em um barco.


E olha só como são as coisas, quando o barco chegou em uma cidade chamada Petit Rhone, já houve uma certa discriminação (não pelas pessoas do barco), mas pelos habitantes daquela região com relação à sara, por causa da cor de sua pele. E ninguém quis recebê-la em sua casa. A sorte é que lá havia ciganos. E os ciganos, que já sofriam a discriminação na própria pele, se identificaram e se solidarizaram com a situação da menina negra, chamando-a para viver entre os seus. E a partir daí, Sara Kali começou a fazer milagres, em nome do Cristo.


Oh Santa Sara, nos ampara, abra nossos olhos espirituais, para que não sejamos vítimas das injustiças e das maledicências. E que não tenhamos inimigos, pois todos nós somos irmãos! Permita que caminhemos pela luz, pela alegria dos ventos, da lua cheia, do sol que nos ampara, através do fogo divino, pelas águas abençoadas que nos fornece a vida e o alimento da terra, dirijo-me a ti, minha mãe, pedindo: amor, paz, luz, sorte, saúde para mim e para as pessoas que eu amo!


Agradeço a energia iluminada que recebo neste momento. Abençoa-nos, mãe, com as tuas fitas coloridas, com as tuas rendas, com a música alegre do povo cigano, permita que estejamos sempre em comunhão contigo e com a natureza.


Que assim seja!!! Optcha!!!

Deixe seu comentário

Mais deste assunto

Episódio 16
Nenhum número escolhido ainda