A Quaresma na Umbanda

Ouvir episódio

A Quaresma é um período em que nós, umbandistas, nos dedicamos a muitas orações e banhos de descarrego, justamente para nos proteger. O período da quaresma é um momento de pedir proteção aos espíritos de luz, mas também é um momento muito importante para ajudar o próximo.

Transcrição do Episódio

Olá, minha família de podcast! Bom dia, boa tarde, boa noite! Tudo bem com vocês? Vamos começar mais um episódio do Alma de Poeta? Eu estou gravando esse episódio aqui praticamente nas vésperas do Carnaval. E depois do Carnaval vem o quê? A Quaresma! E é sobre ela que a gente vai conversar no episódio de hoje. Como a Umbanda interpreta o período da Quaresma? Meu nome é Evandro Tanaka, eu sou médium umbandista e nesse podcast a gente fala sobre Umbanda, Espiritualidade, Mediunidade e também sobre as poesias do Pai Antônio..

Quando a gente pensa em Carnaval, a primeira coisa que vem na cabeça é um feriadão prolongado, não é verdade? Muita gente quer viajar, descer para praia, tem gente que aproveita esse período para fazer retiro espiritual. Tem aquelas pessoas que gostam de assistir os desfiles das escolas de samba (se bem que nesses últimos anos de pandemia, a gente não está tendo nada disso, né). Só que no Carnaval, tem muita gente que gosta mesmo é do Oba-Oba, da fornicação, da bebedeira, do sexo desregrado. Tem gente que se transforma, no Carnaval. Como diz a expressão popular, a pessoa solta a franga! Às vezes, a pessoa é super comportada, durante o ano todinho, chega no Carnaval, ela descamba, extravasa, faz tudo aquilo que ela tinha vontade de fazer.

Algumas pessoas dizem que o Carnaval é uma festa de alegria, de euforia, de animação. Mas o carnaval também é um período de energia muito densa. E essa densidade energética é construída por causa do mental desequilibrado dessas pessoas que só querem saber dos prazeres da carne. Quando está chegando o Carnaval, a vibração espiritual de muita gente já começa a cair. Mas é muita gente mesmo, viu pessoal, porque para formar essa Egrégora negativa, essa egrégora pesada, é preciso que muitas mentes estejam conectadas em propósitos “menos dignos”, digamos assim… Vai chegando o Carnaval, a pessoa já começa a ficar eufórica, né? “Opa! O Carnaval está vindo aí! É hora de extravasar! Eu vou encher a cara, eu vou me divertir, eu vou pegar todo mundo!”.

Daí, gente, sabe o que costuma acontecer? Eu vou passar para vocês o lado espiritual disso. Tudo é uma questão de sintonia, né? Quando a pessoa começa a ter pensamentos desequilibrados, ela vai atrair para o seu lado espíritos desequilibrados. Espíritos que gostam de vibrar na mesma frequência mental que daquela pessoa. Essa é uma lei universal. É igual comida estragada! Os nossos pensamentos negativos é igual comida podre. Se você deixa comida podre, dentro da sua casa, essa comida podre começa a atrair mosca, barata, rato, larvas…

Só que quem deixou apodrecer aquela comida foi você! Aqueles vermes e insetos que vão aparecendo é só a consequência de uma atitude que você teve. Com os nossos pensamentos desregrados é a mesma coisa! Você vai apodrecendo aqueles pensamentos dentro de você, e quando você menos espera, já tem um monte de espírito sofredor do teu lado, já tem um monte de espírito sem luz, já tem um monte de kiumba.

Agora eu pergunto o seguinte: Se você tem uma comida estragada em cima do seu fogão, o que você faz? Você deixa ela lá apodrecendo dentro da panela, juntando vermes, ou você pega essa comida, joga fora, lava a panela com detergente para tirar aquele cheiro uim e limpa o fogão todinho? (risos) Fala a verdade! Deixa de preguiça e limpa logo esse fogão! Isso que eu estou falando, daria até um ponto cantado “Deixa de preguiça e limpa logo esse fogão, deixa de preguiça e limpa logo esse fogão. Menina pega o detergente e passa a bucha pelo chão! (riso). Meu Deus do céu! Quanta bobeira! Ainda bem que o Pai Antônio não está ouvindo isso que eu estou cantando agora (eu espero)!!!

Gente, mas voltando para o nosso assunto. Vamos lá! Foco, Evandro, foco! Quando a gente começa a ter pensamentos muito negativados, quando a gente só começa a pensar em fazer bobeira. Esse pensamento vai apodrecendo dentro de nós, como se fosse uma comida estragada, e a vibração desse pensamento ruim começa a atrair espíritos que gostam daquilo, da mesma maneira que o cheiro da comida podre começa a atrair larvas e insetos. Vocês estão conseguindo entender a lógica do negócio?

Agora, se você é uma pessoa disciplinada, e você percebe que tem algum pensamento que está estragando dentro da sua cabeça, você vai fazer uma faxina interna. Você vai pegar o produto de limpeza do seu Orixá preferido e vai limpar toda aquela sujeira que tem no seu pensamento. Você vai pegar o Veja Multiuso da Mamãe Iemanjá e vai jogar em cima daquela crosta de sujeira. Depois você vai pegar o bombril de ogum e vai esfregar para tirar aquela coisa sebosa. Daí você pega a água de Oxum e lava tudo aquilo! Mas para isso, você tem que ter esses produtos dentro da sua casa (quer dizer, dentro da sua mente). É nesse ponto que a religiosidade é importante na sua vida. Se você é uma pessoa disciplinada, você nunca vai ter problemas, nem de deixar comida estragando dentro da panela, nem de deixar pensamentos negativos apodrecendo dentro da sua mente.

Mas daí, vamos voltar para o Carnaval: imagina milhares de pessoas deixando aquele pensamento negativo fermentando no ambiente. Pensamentos que muitas vezes se transformam em ações. Daí, no Carnaval, a pessoa se permite fazer um monte de coisa. Bebe além da conta, usa uns lance-perfume louco da vida aí, toma aqueles comprimidinhos que eles dão nas baladas, sai beijando quem não conhece! (isso quando não faz outras coisas também, né). Todas essas atitudes vão fazendo aqueles pensamentos apodrecerem cada vez mais rápido.

E isso começa a atrair a atenção do baixo-astral. Às vezes, o espírito está de boa lá no cantinho dele, lá nas profundezas do plano astral. E aquele fedor de pensamento negativo começa a atrair a atenção dele. “Opa! Está acontecendo alguma coisa lá na Terra, que eu estou sentindo. Eu conheço muito bem essa vibração. Eu acho que eu vou dar um chego lá para ver o que está acontecendo”.

E gente, quando a espiritualidade das trevas se conecta com uma quantidade muito grande de pensamentos desregrados no mundo, os nossos irmãos protetores que cuidam das portas do baixo astral (geralmente são exús e pombajiras que fazem isso), eles não conseguem impedir a passagem de tantos espíritos que querem subir ao mesmo tempo.

É como se acontecesse uma rebelião no presídio, sabe? Um monte de espíritos se revoltam ao mesmo tempo e forçam os portões do inferno para subirem para terra. Os Exús e Pombajiras que estão das entradas do Umbral, muitas vezes não conseguem impedir a passagem desses espíritos sem luz, porque a conexão deles com os encarnados se torna muito forte. Eles são puxados de lá por uma corda invisível que é alimentada pelo vício, pela maldade e pela luxúria.

Então, nessa época do Carnaval, vem um monte de kiumbas dar um rolê aqui no plano físico para aproveitar a festa. É como se fosse a saidinha do presídio, sabe? Vocês já ouviram falar? Quem trabalha com forças de segurança, sabe do que eu estou falando: tem a saidinha do natal, tem a saidinha do dia das mães. São datas especiais que os presidiários recebem permissão para visitar os seus familiares.

Se a gente fizer uma analogia, no mundo espiritual, tem a saidinha de carnaval. Um monte de espíritos que estava preso no baixo-astral, conseguem sair e ficar perambulando pelo nosso mundo. Só que daí, o que acontece? O Carnaval acaba, o período de festa acaba, só que esses malfeitores do plano astral, ele não voltam de livre e espontânea vontade para o baixo-astral. Porque eles não gostam de ficar lá, né? Ninguém gosta! E eles ficam perambulando entre os vivos, tentando tirar algum proveito desse tempo em que eles estão aqui com a gente.

É a mesma coisa do presidiário: ele faz a saidinha do dia das mães, por exemplo, e a justiça fala para ele assim: “Você tem tantos dias para visitar os seus familiares e depois voltar para o presídio”. Só que dá o tempo e muitos não voltam. Eles preferem ficar na rua fazendo coisa errada. Com os kiumbas acontece exatamente a mesma coisa. Acaba o Carnaval e eles não voltam, eles ficam o máximo que eles conseguem entre os vivos para tirar algum tipo de vantagem.

É por isso que o período da Quaresma é tão respeitado pela Umbanda. Na verdade, essas é uma tradição que veio da Igreja Católica, né? Mas se essa tradição existe, mesmo que a Igreja não acredite em nada disso que eu estou falando, no fundo, existe uma razão dos cuidados que eles pedem para os fiéis terem durante a Quaresma. Talve até essa preocupação da Igreja seja inconsciente (ou não, né), mas o fato é que, tanto a Igreja quanto a Umbanda pregam que o período da Quaresma é um tempo de fortalecimento espiritual.

Imagina o seguinte: você mora numa cidade que tem um presídio muito grande. Daí chega um dia e você recebe uma notícia de que houve uma rebelião naquele presídio e muito detentos fugiram. O que as pessoas dessa cidade vão fazer nos primeiros dias? Elas vão ficar trancadas dentro de casa, com medo! Porque os marginais que fugiram do presídio estão andando lá no meio da rua.

A Quaresma é exatamente isso! Da pessoa ficar recolhida dentro de si, se protegendo das investidas dos kiumbas. Porque, como eu disse para vocês, a Quaresma é um período de muita instabilidade espiritual. É quando os kiumbas estão a soltos e teimam em permanecer entre nós, depois da saidinha de Carnaval.

E quando você fica recolhida dentro de si mesma, você tem que aproveitar esse tempo para refletir sobre sua vida, para avaliar em que grau está a sua evolução espiritual. É um período em que nós, umbandistas, nos dedicamos a muitas orações e banhos de descarrego, justamente para nos proteger. O período da quaresma, gente, é um momento de pedir proteção aos espíritos de luz, pedir amparo aos espíritos consoladores, mas também é um período muito importante para ajudar o próximo, para ajudar a quem precisa.

Os católicos passam o período da Quaresma fazendo orações, penitências, jejuns, comunhão, confissão. Nós, umbandistas, passamos o período da Quaresma, também fazendo orações, mas além das orações, fazendo firmezas para os nossos guias protetores, acendendo velas para o anjo da guarda, fazendo oferendas para os Orixás e tomando banhos de descarrego com mais frequência. E é claro, né gente, nesse período da Quaresma, nós também tentamos fazer a Caridade com mais frequência.

Para quem não sabe, esse período da Quaresma começa na quarta-feira de cinzas, depois do Carnaval e termina na quinta-feira Santa, antes da Páscoa.

Na Igreja Católica, os santos são cobertos com panos roxos durante o período de Quaresma, representando um período de luto, de reflexão, né, sei lá… talvez um católico saiba explicar melhor a razão das imagens serem cobertas com panos roxos. Eu, como não sou católico, eu não estudei a fundo sobre isso.

Mas e na Umbanda? O que os terreiros fazem durante a Quaresma? Muitos fecham as portas. Tem terreiro que nem funciona. Tem terreiro que fecha no Carnaval e só vai retomar as atividades de pois da Páscoa. E eles fazem isso com a intenção de se resguardarem, de se protegerem.

Tem terreiro, por outro lado, que funciona normalmente. Eles pensam assim: “Bom, se a Quaresma é um período de reflexão e de ajuda ao próximo, nada melhor do que manter o terreiro em atividade para ajudar as pessoas. Muitos terreiros, inclusive, pensam de uma maneira que eu, particularmente, não concordo. Eles falam que a quaresma é uma tradição da Igreja Católica que não se aplica à Umbanda. Bom, cada um tem a sua verdade, né? Assim como eu estou trazendo a minha verdade para vocês. Nós somos livres para aceitar aquela verdade que faz a gente se sentir melhor.

Eu já vi terreiro que na Quaresma só trabalha com gira de esquerda! Pelo fato de que os Exús e Pombajiras são as Entidades que combatem mais diretamente o baixo-astral, né? Eles estão, meio que na linha de frente.

E eu já vi terreiro que, na Quaresma, só trabalha com Entidades de Direita. Caboclo, Preto-velho, Criança, Marinheiro, Baiano, mas durante os quarenta dias, eles não fazem nenhuma incorporação de esquerda. Eu, particularmente, sou mais adepto dessa última corrente, apesar de que eu acho que todas estão certas no seu ponto de vista.

Na Umbanda que eu pratico, durante o período de Quaresma, a gente trabalha normalmente, mas a gente não recebe a linha da esquerda. E tem um fundamento para isso também, eu vou explicar para vocês.

Lembra da historinha que eu contei da cidade que tinha um presídio que sofreu uma rebelião e que fugiu um monte de bandidos? Daí, as pessoas dessa cidade ficavam dentro de casa se protegendo? Pois bem… quando foge um monte de bandido da cadeia, o que a polícia faz? Elas se mobilizam para começar a caçar aqueles bandidos. Não adianta você ligar para a delegacia falando, ah, me ajuda… sei lá… o meu marido está me batendo. O escrivão vai virar para você e falar: “Olha, desculpa, mas no momento, eu não tenho nenhuma viatura para mandar até a sua residência, porque todo o nosso efetivo policial está tentando recapturar os bandidos que fugiram”.

Agora, vamos passar isso para o que acontece na Umbanda. A gente está lá no período de Quaresma, né, os Kiumbas à solto pelo nosso mundo. E os Exús e Pombajiras estão mobilizados para tentar restabelecer a ordem e encaminhar esses espíritos sem luz para o lugar de onde eles vieram. Daí, eu penso assim: Se você fizer uma gira de esquerda no seu terreiro, durante a Quaresma, você vai estar tirando de ação Exús e Pombajiras que poderiam estar auxiliando nessa força-tarefa de restabelecer a ordem no plano astral. Vocês estão conseguindo entender o que eu estou falando?

O Exú Catacumba, que é a Entidade de Esquerda que cuida da minha coroa, ele já chegou para mim uma vez e falou assim: “Não me enche o saco nessa época de Quaresma, porque eu tenho mais o que fazer”. (riso) Com aquele jeito bem delicado dele que o pessoal lá no terreiro já conhece. E é isso mesmo gente! O povo da esquerda fica sobrecarregado nessa época do ano. E a gente vai estar fazendo um grande favor para eles, de evitar ficar invocando a ajuda deles para resolver problemas menores. Não que os nossos problemas não sejam importantes, mas eu penso que antes do individual, tem que vir o coletivo, né? Se eles tem muito trabalho, nessa época do ano, porque que a gente não colabora? Sei lá… eu penso dessa maneira, mas eu respeito quem pensa diferente de mim.

Nesse período da Quaresma, é muito comum as pessoas dizerem que “a bruxa está solta”, né? Como se fosse um momento de assombrações, de maldições, de encontrar alma penada no meio da rua. E o pessoal não está errado quando fala isso. Essa é a sabedoria popular que traz mais verdade do que a gente imagina!

A Umbanda considera o período de Quaresma muito delicado, até mesmo perigoso, em alguns casos, por ter muitos kiumbas à solto que podem se manifestar em pessoas que não estão preparadas para receber eles. Pessoas que tem mediunidade, mas que ainda não conseguem controlar essa mediunidade e não conseguem identificar o espírito que está se manifestando. Esse é um período em que a atenção do médium tem que estar redobrada, principalmente quando ele está fora do terreiro. Porque lá é a zona de combate, é lá que ele vai sentir o pau comendo solto. E para ele não correr nenhum risco, tendo em vista que o médium tem uma sensibilidade mais aflorada, é bom ele se proteger mais do que ele costuma fazer normalmente.

Até porque, gente, nessa época do ano, tem uns espírito de porco por aí que adora esse período da Quaresma para fazer magia negativada. Eles aproveitam que os kiumbas estão à solta, para pedir trabalho para prejudicar o próximo. Os médiuns tem que estar muito atento a isso também, assim como a espiritualidade de luz também está muito atenta a essas intenções menos nobres.

Como eu disse para vocês, a Quaresma é um período onde circula muita energia pesada, muita carga negativa e os terreiros que se mantêm abertos, costumam desfazer muitos trabalhos de magia negativada que foram pedidos nessa época do ano. Trabalhos de feitiçaria, de amarração, trabalho de demanda para prejudicar a vida das pessoas. Os nossos guias costumam agir, de uma maneira muito contundente, para desfazer esse tipo de trabalho.

Mas, independente de tudo isso que eu falei, pessoal, a Quaresma é um momento muito propício para a gente fortalecer a nossa fé, para a gente abrir o coração para a espiritualidade superior agir dentro de nós. É um momento que nós podemos nos conectar mais intensamente com os nossos Orixás e com os guias espirituais que nos acompanham.

Não tem problema nenhum de você frequentar um terreiro de Umbanda durante a Quaresma, desde que você mantenha a sua fé, mantenha o pensamento elevado e participe dos trabalhos sem medo, confiando nessa espiritualdiade amiga que só quer o nosso bem.

E assim, a gente termina mais esse episódio. Para vocês que vão curtir o Carnaval, aproveitar o feriado, divirtam-se com responsabilidade, evitem os excessos, sejam eles quais forem. Tratem as pessoas com respeito, com carinho. Mantenham-se conectados com os nossos irmãos de luz, porque eu tenho certeza que, agindo assim, vocês vão manter o fogão de vocês sempre limpo, sem deixar a comida estragar! (risos).

Eu quero aproveitar também e agradecer as pessoas que já compraram a nossa rifa solidária. Em poucos dias, a gente já conseguiu vender mais da metade, mas corre lá que ainda dá tempo de você reservar o seu número e concorrer a uma caneca personalizada do Alma de Poeta. Com apenas cinco reais você já consegue participar da nossa rifa e ajudar no nosso propósito de levar um pouquinho de conforto para os moradores de rua.

Acessem o nosso site: almadepoeta.com.br cliquem no link da rifa solidária e participem! A espiritualidade também vai agradecer muito a boa intenção de vocês. E continuem ouvindo o Alma de Poeta e compartilhando com seus amigos, com seus familiares. Nós estamos presentes no Spotify, no Deezer, Google Podcast, Apple Podcat, Youtube, Amazon Music. Você pode ouvir os episódios na sua plataforma de áudio preferida!

Um grande abraço, meus irmãos, fiquem com Deus! E que o nosso Pai Maior continue abençoando a caminhada de cada um de vocês!

Deixe seu comentário

Mais deste assunto

Episódio 97
Nenhum número escolhido ainda