A Caridade na Umbanda e Uma Palavra Amiga

Ouvir episódio

Ilustração: Ramira Yuri Ribeiro. Nesse episódio nós vamos ouvir a experiência de uma irmã de fé sobre o ritual de Umbandomblé. Também vamos ouvir mais uma poesia do nosso querido Pai Antônio sobre a necessidade de continuarmos firmes na caminhada evolutiva.

Transcrição do Episódio

Olá, meu povo do Axé!!! Como é que vocês estão? Hoje me deu uma vontade tão grande de falar aqui no podcast! Eu acho que é porque na semana passada eu estava tão atarefado com os meus afazeres que eu só consegui gravar um episódio. Daí eu fico naquela crise de abstinência! Eu quero falar as coisas no podcast, mas não consigo por causa dos meus compromissos. Só que hoje vai!!! Nem que eu tenha que ficar gravando de madrugada! Espero que vocês estejam curtindo os episódios! Espero que vocês estejam conseguindo entender os assuntos que eu trago aqui para reflexão. Eu gosto muito de conversar com vocês sobre esses assuntos que falam sobre Umbanda, sobre espiritualidade, sobre mediunidade. E para não perder o hábito, hoje eu vou falar para vocês mais uma poesia do nosso querido Pai Antônio. Pra quem ainda não sabe, o Pai Antônio é uma Entidade iluminada que se apresenta com a forma de um humilde preto-velho. Todas as poesias que eu recebo e que eu publico aqui no podcast são dele. E como vocês estão carecas de saber, o meu nome é Evandro Tanaka e eu sou médium umbandista!

Bom, pessoal, antes de recitar a poesia, eu queria abrir espaço aqui para uma manifestação. Não é uma manifestação mediúnica não, tá! A gente tem que deixar isso bem claro porque Umbandista leva tudo para o lado espiritual. É impressionante! Às vezes as pessoas perguntam para mim: “e aí, como é que está o seu trabalho?” A primeira coisa que me vem à cabeça é o trabalho do terreiro, é o trabalho junto às Entidades. Hoje eu queria abrir um espaço aqui no podcast para manifestação de uma ouvinte. A Dominique entrou em contato comigo, ela disse já ouve o podcast há algum tempo. E ela entrou em contato comigo para compartilhar a experiência que ela tem como médium em um terreiro de Umbandomblé. A Dominique disse que ouviu o episódio 42, quando eu entrevistei o Pai André de Oxaguiã, e ela disse que não concordou com algumas coisas que o Pai André falou, com relação a essa mistura entre Umbanda e Candomblé que ele não concorda. Bom, vamos ouvir o que a Dominique tem para passar para gente?

[Áudio da Dominique]

Dominique, minha irmã de fé! Sábias palavras! Eu que agradeço pela boa vontade que você teve de compartilhar com a gente a sua experiência. E você disse uma coisa muito bonita: “existem maneiras diferentes de se fazer a caridade”! É isso o que importa! Não interessa que tipo de Umbanda você pratica. Não interessa se é Umbanda tradicional, Umbanda Esotérica, Umbanda Sagrada, Umbanda traçada. O importante é fazer a caridade, cada um da sua maneira, do jeito que a gente sabe, do jeito que a gente consegue!

Eu estava conversando com a Dominique em off. E eu fiquei de queixo caído quando ela me relatou essa experiência, que ela foi num terreiro que “se diz de Umbanda”, que foi passado um banho de erva para ela, mas que ela deveria comprar as ervas que o próprio terreiro disponibilizava. Porque senão não ia funcionar. Ora, gente! Tenha santa paciência! Isso não existe! Erva é erva! É o poder da natureza que vai agir no seu corpo! Não tem esse negócio: “tem que ser do meu terreiro”, porque senão não vai ter axé. E ainda por cima, obrigar a pessoa a comprar! Eu acho um absurdo isso!

Como a Dominique bem mencionou, e eu compartilho 100% da opinião dela: A Umbanda não cobra por nada! Eu acho corretíssimo o jeito que o terreiro dela trabalha. Se a pessoa que vai lá procurando ajuda precisa acender uma vela, o terreiro dá a vela para ela acender. Se a pessoa precisa tomar um banho de ervas, o terreiro cede as ervas, sem cobrar nada.

Eu até entendo que um terreiro de umbanda precisa se sustentar, ele precisa de recursos financeiros para se manter. Mas esses recursos não devem ser cobrados de quem vai lá procurar ajuda. Isso não é caridade. Os recursos devem ser fornecidos pelos trabalhadores da casa: pelo pai de santo, pela mãe de santo, pelo pai pequeno, mãe pequena, pelo Ogã, pelos médiuns da corrente, pelos cambones. São essas pessoas que precisam colaborar para sustentar o terreiro. Eu sou totalmente contra ficar pedindo dinheiro para pessoas que vão lá em busca de ajuda. E não os assistidos. Porque quando você faz isso, quando você cobra por alguma coisa, a pessoa que está sendo atendida, ela já fica meio constrangida. “Ah, se eu não der dinheiro, se eu não colaborar, talvez eu não receba a ajuda que eu estou precisando”. Muitas pessoas pensam assim, e acabam muitas vezes doando para o terreiro um dinheiro que elas nem tem. Não sei, gente, eu acho muito errado isso. Eu sou totalmente contra qualquer tipo de cobrança ou comércio dentro de um terreiro de Umbanda, principalmente quando envolve a espiritualidade.

Quer vender alguma coisa dentro do terreiro? Então coloca lá umas camisetas, uns broches, uns adesivos, sei lá… Algo que não tenha relação direta com o trabalho que vai ser feito. Não envergonha a espiritualidade dizendo que o que vocês estão vendendo tem o Axé delas. Vamos lembrar as palavras de Jesus: “dai de graça o que de graça recebestes”. Se vocês receberam o dom da mediunidade, ou a oportunidade de colaborar com trabalhos espirituais, tenham a certeza que a espiritualidade de luz não está cobrando nada por isso. Eles estão doando tempo e energia para sustentar a gente aqui na Terra. Se a espiritualidade, que é a principal protagonista desse trabalho, não cobra por nada, não exige nada, por que nós nos sentiríamos no direito de fazer diferente? De cobrar por uma ajuda que está vindo do plano espiritual? Sinto muito para quem pensa diferente, mas eu não concordo com isso.

Mas assim, eu reforço aqui para vocês: Essa é a visão da Umbanda (ou pelo menos deveria ser, no meu ponto de vista). No Candomblé já é diferente. E eu não posso dizer para vocês com propriedade como as coisas funcionam no Candomblé, porque eu não sou candomblecista. Eu não me sinto no direito de falar da religião do outro! Eu falo da minha religião. E mesmo assim, talvez seja um ponto de vista muito particular meu. É apenas a maneira como eu enxergo a Umbanda, que pode ser diferente da sua.

Mais uma vez te agradeço muito, Dominique, por compartilhar com a gente essa sua visão. Eu tenho certeza que muitas pessoas que trabalham no Umbandomblé, assim como você, tem esse mesmo entendimento. E como você bem disse, a Umbanda é isso, né? Fazer a caridade sem cobrar nada e absorvendo o que as outras religiões tem de melhor para oferecer! Um grande abraço para você, minha irmã de fé! Obrigado por doar o seu tempo para gravar esse áudio tão bacana!

Então vamos lá! A poesia que eu vou falar para vocês hoje, eu recebi do Pai Antônio quando eu estava passando por um momento de muita… Como eu posso dizer? incerteza… não é bem a palavra… Eu estava passando um período de muitas dúvidas com relação ao meu caminho espiritual, com relação à minha caminhada na Umbanda. Essa poesia foi dirigida para mim, quando o Pai Antônio, através dos seus versos, tentou me transmitir ensinamentos, ao mesmo tempo ele tentou me confortar com suas palavras. Por isso que eu coloquei o título nessa poesia de “palavra amiga”. Espero que a mensagem dessa poesia entre no coração de vocês assim como entrou no meu! Vamos ouvir?

Filho, estende a tua mão amiga 
aos que riem e aos que choram. 
Ameniza a dor que fustiga
e ajuda aqueles que imploram.

Na Seara do Divino Mestre
Não existe joio, nem trigo.
Somos todos da mesma espécie,
buscando carinho e abrigo.

A oportunidade que tens agora
deixará o teu jugo mais leve.
Finalmente o peso de outrora
derreterá como flocos de neve.

Desabrocha o teu sorriso amigo
nos palácios e nos casebres,
carregando a Verdade contigo
e deixando a vida mais alegre!

Irradia o perdão mundo afora
e o amor além do horizonte.
Faz do crepúsculo a sua aurora
bebendo a água viva da fonte.

Não te aflijas nas coisas da vida,
são momentos de aprendizado.
Tu verás, em breve, a saída
e o teu sonho realizado!

Não são bonitos esses versos? Quando eu recebi essa poesia, eu estava numa incerteza de qual caminho seguir… Eu estava, sei lá… fraquejando nos meus propósitos espirituais. E olha como a espiritualidade sabe tocar fundo no nosso coração nos momentos certos, né? O poema fala que nós precisamos nos doar, estender a mão para todos, tanto para as pessoas que estão bem quanto para as pessoas que precisam de ajuda. Porque Deus não faz separação entre pessoas boas e pessoas más. Aos olhos do Criador, nós somos todos iguais. Estamos apenas em estágios evolutivos diferentes. O verso fala: “não existe joio, nem trigo, na seara do mestre. Nós somos todos da mesma espécie.” Isso significa que você e eu somos sementes da mesma árvore. Às vezes pode acontecer de uma semente estar mais propícia a germinar do que a outra. E quando eu falo em germinar, eu estou me referindo a nos direcionarmos para o bem. Sair das trevas da ignorância em direção à luz. Mais cedo ou mais tarde, todos nós iremos germinar. Uma semente germina na frente, a outra pode demorar mais um pouquinho. Mas o princípio divino está dentro de cada semente. Vocês entendem? Todos nós carregamos uma pequenina parcela da divindade.

Não é à toa que na Umbanda nós dizemos que nós somos filhos de Orixás. Isso é lindo, não é? Eu sou filho de Xangô. Eu sou filha de Oxum. E os Orixás nada mais são do que manifestações de Deus em nós. Nesse sentido que nós somos filhos dos Orixás, nós somos filhos dessas manifestações divinas.

A poesia também fala que nós temos a oportunidade, hoje, de deixar o nosso jugo mais leve. O que significa isso? O Pai Antônio tirou essa expressão das palavras de Jesus. Tem uma parte, no Evangelho de Mateus, que Jesus fala assim: “Vinde a mim todos os que estão cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”. Se você olhar no dicionário, você vai ver que jugo é sinônimo de opressão. Na verdade, jugo é aquela peça de madeira que prende o boi à carroça. Eu não sei se vocês já viram. Então, Jesus fala que o jugo dele é suave. O jugo de Jesus não te machuca, não te desgasta. E de uma maneira similar o Pai Antônio colocou na poesia essa palavra. Ele disse que a oportunidade que nós temos agora de viver aqui na Terra vai deixar o nosso jugo mais leve.

Porque a experiência que a gente está vivendo aqui na Terra, com todos os problemas, todas as dificuldades, vai fazer com que o peso que o nosso espírito carregava deixe de existir. A experiência física atua no nosso espírito como se fosse um depurador. São aqui na Terra que a gente deixa todas as nossas impurezas, para que possamos ter uma vida melhor no plano espiritual. E quem não quer ter uma vida melhor, não é mesmo? Todos nós buscamos o nosso bem-estar. É por esse motivo que o espírito, quando está desencarnado, pede tanto a Deus uma nova oportunidade de voltar aqui para Terra. Justamente para depurar o seu espírito, para que ele possa ter uma qualidade de vida melhor no plano espiritual.

Mas para isso, a gente precisa fazer a coisa certa aqui! É disso que a poesia fala. A gente precisa sorrir. Não interessa se a gente mora numa mansão ou numa favela. A gente precisa cultivar a alegria de estarmos aqui na Terra depurando o nosso espírito! A gente precisa aproveitar a nossa passagem por esse mundo para irradiar o amor, o perdão. Pra beber da água viva que o nosso mestre ensinou. Só assim nós conseguiremos enxergar a verdade. Verdade essa que está muito além das ilusões da matéria.

Tem um trecho da poesia que eu acho lindo! Ele fala assim: “Faz do crepúsculo a tua aurora”. Crepúsculo, para quem não sabe, é o pôr do Sol. E aurora é o nascer do sol. Quando a poesia fala “faz do crepúsculo a tua aurora”, ele está dizendo para transformar o teu entardecer no nascer de um novo dia. Pra transformar os teus momentos ruins em algo positivo. Porque, se você parar para pensar, nessa vida, até dos piores momentos você consegue extrair algo bom. Porque o nosso Pai Olorum está em todas as coisas!

No final, a poesia fala assim: “não te aflijas nas coisas da vida, porque são momentos de aprendizado”. Tudo é aprendizado. As dificuldades que você passa são aprendizados. É quando o teu espírito se fortalece. Os relacionamentos complicados que você tem com algumas pessoas também são aprendizados. É quando o teu espírito desenvolve a paciência, a empatia, a compreensão. A dor que você sente no teu corpo físico é aprendizado! É quando o espírito deixa de prestar atenção na vida exterior e olha para dentro dele mesmo. A dor nos traz sempre reflexão! Vocês já pararam para pensar sobre isso? Tudo nessa vida é aprendizado.

E se a gente agir da maneira correta, se nós aproveitarmos esse momento aqui na Terra para regarmos a nossa sementinha com a água viva da fonte, como diz a Bíblia, nós veremos que quando nós voltarmos lá para o plano espiritual, teremos aquela sensação de dever cumprido, porque tudo aquilo que nós nos propusemos a fazer na Terra, nós fizemos. É isso o que a espiritualidade espera da gente, que nós possamos realizar o nosso sonho, que nós possamos concretizar o nosso objetivo principal, que é evoluir.

Espero que vocês tenham gostado do episódio de hoje. Agradeço mais uma vez a Dominique pela participação dela aqui no podcast. E o objetivo é esse! Que a gente possa refletir sobre tudo o que é conversado aqui e que possamos tirar as nossas próprias conclusões do que nós achamos que é certo e do que nós achamos que é errado. Cada um com a sua verdade. Cada um com a sua opinião. Mas o mais importante de tudo é o respeito que nós precisamos ter uns com os outros.

Se vocês quiserem participar do nosso podcast também, manda um e-mail para mim “contato@almadepoeta.com.br” ou se vocês preferirem, podem acessar diretamente o site “alma de poeta”, clica no link escrito “contato” e vocês podem mandar a mensagem diretamente para mim. Lembrando que o Alma de Poeta está disponível nas principais plataformas de streaming de áudio: Spotify, Google Podcast, Amazon Music, Deezer, Apple Podcast, Anchor.fm e tantas outras.

Um grande abraço! Fiquem com Deus e que o nosso Pai Maior os abençoe hoje e sempre!

Deixe seu comentário

Mais deste assunto

Episódio 46
Nenhum número escolhido ainda