Por Que as Entidades Fumam e Bebem

Ouvir episódio

Ilustração: Ramira Yuri Ribeiro. As Entidades que fumam e bebem na Umbanda são espíritos atrasados? Qual a necessidade de se utilizar cigarros, cachimbos, charutos e bebidas alcóolicas durante os atendimentos? O que isso tem a ver com trabalho espiritual?

Transcrição do Episódio

Olá, meus irmãos de fé! Olá, povo da Umbanda! Tudo bem com vocês? Sejam bem-vindos a mais um episódio do podcast Alma de Poeta. Hoje eu vou conversar com vocês sobre um assunto bastante polêmico, principalmente para as pessoas que não entendem a maneira como a espiritualidade trabalha na Umbanda. Nós vamos falar sobre a necessidade de se usar fumo e bebidas alcóolicas nos rituais de Umbanda. Meu nome é Evandro Tanaka, eu sou médium umbandista e nesse podcast a gente fala sobre Umbanda, Espiritualidade, Mediunidade e, também, sobre as poesias do Pai Antônio.

Gente, tem um ponto que precisa ficar muito claro aqui. A Umbanda trabalha, basicamente, com manipulação de energias. E muitas vezes, em decorrência dos atendimentos, nossos guias espirituais acabam precisando manipular energias densas, energias pesadas que os consulentes nos trazem. As Entidades que trabalham na Umbanda são especialistas em limpeza espiritual, que nos proporciona equilíbrio e bem-estar. Quando eu falo de limpeza espiritual, eu estou me referindo à limpeza dos nossos corpos sutis, principalmente o corpo astral e o duplo etérico. Vibratoriamente falando, esses são os corpos mais próximos que nós temos do corpo físico.

E para limpar e equilibrar o duplo etérico e o corpo astral, muitas vezes, os especialistas da espiritualidade acabam utilizando elementos encontrados na própria natureza. É por esse motivo que os pretos-velhos se utilizam do café e do fumo, que os Erês utilizam bebidas açucaradas, que os Exús e Pombajiras utilizam as bebidas alcóolicas, e assim por diante, cada um na sua especialidade, cada um nas habilidades que possuem de manipular os elementos da natureza.

E repare que tudo o que a Umbanda utiliza vem do reino vegetal: o tabaco vem de uma planta, o açúcar e o álcool vêm de uma planta, nós temos ainda as diversas ervas que são receitadas para banhos e chás, as frutas, sem contar a manipulação da água que é muito utilizada também nos trabalhos espirituais. Todas essas energias da natureza são manipuladas pela espiritualidade que trabalha na Umbanda.

E tudo isso tem um fundamento. Quem já estudou magia sabe que tudo o que existe no plano físico tem também a sua contraparte etérica. O nosso corpo físico tem a sua contraparte etérica, os animais têm a sua contraparte etérica, os vegetais têm a sua contraparte etérica. Até os objetos inanimados tem a sua contraparte etérica.

E por que que o álcool e o fumo são tão utilizados pelos nossos guias? Por que esses dois elementos tem um alto teor de volatilidade? As Entidades têm uma facilidade muito grande de manipular a contraparte etérica desses elementos. No caso do tabaco e das ervas, essa volatilidade aumenta ainda mais quando elas são queimadas. Aquilo que os nossos olhos físicos identificam como fumaça é apenas a parte física nós percebemos de partículas que estão se desprendendo daquele elemento que está entrando em combustão.

Bom, no caso do álcool, a volatilidade é ainda maior, né! A simples exposição dessa bebida à temperatura ambiente ou a exposição ao calor do corpo do médium, já proporciona a liberação de partículas etéricas que vão ser manipuladas pela espiritualidade.

Da mesma maneira, o contato das folhas com a água quente, na hora de fazer um chá, ou de preparar um banho de infusão, também proporciona a liberação dessas energias naturais que vão auxiliar no processo de limpeza e equilíbrio dos corpos sutis. Percebam como o fogo e o calor são importantes nesse processo!

É por esse motivo que as entidades fumam e bebem, entre aspas. Porque na verdade elas não estão fumando nem bebendo, elas estão manipulando energias. Elas estão trabalhando com as partículas etéricas que se desprendem do tabaco e do álcool para realizar um atendimento fraterno.

E é por esse mesmo princípio que nós fazemos a defumação na Umbanda. A defumação nada mais é do que a queima das folhas secas de determinas espécies de plantas para limpar o ambiente espiritual. Se você não é um médium vidente, é óbvio que você não vai perceber a equipe espiritual trabalhando na defumação, ao redor dos médiuns, dos consulentes, fazendo a limpeza dos corpos sutis no plano astral. Agora, se você tem vidência, você vai perceber Entidades espirituais manipulando aquelas energias de uma maneira muito eficiente.

Mas vamos voltar a falar do fumo e das bebidas alcóolicas. Quem não conhece esses fundamentos que eu acabei de explicar, acaba ficando com muitas dúvidas sobre a necessidade que uma Entidade tem de fumar ou beber. E acabam criticando o uso do fumo e da bebida alcóolica durante os atendimentos. É por esse motivo que muitos espíritas kardecistas acabam achando que esses espíritos que trabalham com as energias da natureza possuem um grau evolutivo menor, simplesmente por eles utilizarem o fumo e bebidas como instrumentos de trabalho. Os kardecistas, muitas vezes, interpretam isso como sendo um atraso espiritual de espíritos ainda apego à matéria.

Mas essas críticas se baseiam, na maioria das vezes, na falta de conhecimento que essas pessoas têm das leis naturais que regem os dois planos da vida. Porque o fumo e a bebida são dois elementos muito eficazes para queimar miasmas. Você sabe o que é miasma? Miasma é aquela sujeira astral que fica impregnada no seu corpo sutil, aquela crosta que acaba atraindo muitas vezes larvas astrais que começam a sugar as suas energias, desequilibrando o seu corpo astral e, consequentemente, o seu corpo físico.

Como vocês já perceberam aqui no podcast, eu gosto de fazer comparações. E eu faço essas comparações para que as explicações fiquem um pouco mais próximas da nossa realidade. A gente poderia comparar o nosso corpo com um fogão. Você vai usando o fogão diariamente para fazer comida, para cozinhar. E com o passar do tempo, o fogão vai ficando com aquela sujeira, né? De óleo, gordura, restos de alimento. E se você não faz uma limpeza, de tempos em tempos, no seu fogão, aquela sujeira acaba se transformando em uma crosta, difícil de sair. E dependendo da sujeira que cai no fogão, se você não limpar, acaba atraindo até vermes, moscas, né? Daí, o que que você faz quando o seu fogão está muito sujo? Você pega aquele produto de limpeza forte, né? Tipo veja multiuso… sei lá… eu não conheço muito esses nomes de produtos de limpeza, mas você joga aquele produto químico em cima da sujeira e essa sujeira vai amolecendo de uma maneira que facilita muito a limpeza depois, né? Às vezes você não precisa nem esfregar. É só passar um pano que fica limpinho.

O processo que as entidades utilizam com o fumo e a bebida é mais ou menos igual. O nosso corpo é como se fosse um fogão. Com o uso diário, ele vai acumulando sujeira, impurezas. E dependendo da maneira como você utiliza o seu corpo, essa sujeira pode ficar maior ou menor. Quanto mais atitudes erradas você tiver, quanto mais pensamentos e sentimentos desregrados, maior vai ser a sujeira que você vai acumular no seu corpo. E muitas vezes essa sujeira é tanta que a espiritualidade acaba usando produtos de limpeza mais eficientes. Percebam que o fumo e a bebida é o Veja multiuso delas. É o detergente que elas utilizam para tirar a crosta de sujeira do nosso corpo. Porque se essa sujeira permanece no nosso corpo sutil, acaba atraindo larvas astrais, da mesma maneira que um fogão sujo acaba atraindo vermes e insetos.

É lógico que a utilização da bebida e do fumo pela espiritualidade de luz é feita de uma maneira muito contida, né? Eles condenam os excessos nesse sentido. Não é porque o seu Exú trabalha com marafo, com pinga, com a aguardente, que você vai ficar enchendo a cara. Não é porque a sua Pombajira trabalha na força do tabaco, que você vai alimentar o seu vício. Nós, médiuns, precisamos ter a consciência de que as Entidades pedem esses elementos apenas para manipular energias. Não é para alimentar o vício de ninguém, nem seu, nem dos consulentes, muito menos delas, das entidades. Porque esses espíritos de luz que trabalham na caridade, já se desligaram dos vícios da matéria há muito tempo. Eles não sentem a mínima saudade das sensações grosseiras da matéria física. Eles já estão em outro patamar de evolução.

Claro que existem muitos médiuns despreparados, e até mesmo mal-intencionados, que se aproveitam dessa situação no terreiro para alimentar os seus vícios e desejos. Eles acabam usando o pedido das Entidades como uma desculpa para alimentar o próprio vício. Gente, bota uma coisa na cabeça, Entidade de Luz não bebe e não fuma. Tanto é que quando elas estão trabalhando com esses elementos, elas pedem para o médium não tragar a fumaça do cigarro ou do cachimbo. Porque quando o médium traga a fumaça, o organismo físico acaba absorvendo e destruindo aquelas partículas sensíveis que seriam trabalhadas pela espiritualidade. O médium precisa apenas baforar a fumaça, para que eles consigam manipular melhor as energias do tabaco. E da mesma maneira a bebida alcóolica. O consumo deve ser o mínimo possível. O estritamente necessário para que a Entidade possa fazer o processo de limpeza.

Mas agora, deixa eu falar um outro lado para vocês. Até agora a gente estava falando sobre o trabalho de espíritos sérios, comprometidos com o bem. Mas se você começa a consumir o fumo e a bebida de uma maneira desregrada, nos trabalhos espirituais, para alimentar o próprio vício, esses espíritos bondosos acabam se afastando, abrindo espaço para que os kiumbas comecem a atuar naquele médium. Vocês lembram, né, que a gente já conversou sobre os kiumbas, os malfeitores do plano espiritual? Pois é… Esses espíritos sim, eles ainda estão tão apegados à matéria que ainda sentem o desejo de alimentar os vícios que eles tinham quando ainda eram encarnados. Daí eles vão querer beber, fumar, aproveitando do aparelho mediúnico para satisfazer os seus desejos, sem qualquer comprometimento com o bem. Eles estão pensando apenas no próprio interesse. Não interessa se o médium vai ficar desequilibrado ou vai ficar doente. Os kiumbas querem apenas satisfazer as suas vontades.

Quando o médium está sendo influenciado por um kiumba, ele vai sentir uma vontade cada vez maior de fumar e de beber, porque vai ser a vontade dele somada à vontade da entidade desencarnada. Às vezes, o médium já gosta de beber e fumar e daí, consciente ou inconscientemente, acaba influenciado com o seu animismo na maneira como a entidade vai se manifestar. Às vezes a entidade nem estava precisando usar a bebida ou o fumo naquele momento, mas o animismo do médium acaba prevalecendo, para satisfazer uma necessidade orgânica sua. E ele acaba pensando que é a Entidade que está precisando daquilo.

E gente, para evitar a atuação de kiumbas, é muito importante a consciência do autocontrole. É exatamente pelo autocontrole que você vai barrar a atuação desses espíritos descomprometidos com a caridade.

Fica muito claro aqui a necessidade que nós, médiuns, temos de desenvolver a nossa responsabilidade e disciplina. Senão a gente corre o risco de criar vícios até mesmo durante a comunicação mediúnica, né, olha que absurdo. Vícios que vão aparecer pela nossa própria indisciplina, pelo nosso descuido. E isso vai ser muito prejudicial, não só para a nossa própria saúde, como também prejudicial para a Entidade comunicante, que com certeza não vai ser um espírito de luz. Nós estaremos voluntariamente contribuindo para que aquele espírito perturbado permaneça no seu atraso espiritual, agravando ainda mais o nosso próprio karma, porque ao invés de nós ajudarmos aquele espírito, nós estamos incentivando-o a permanecer no vício da matéria.

Só para concluir aqui, gente, eu quero reforçar que nenhuma entidade de luz no trabalho da Umbanda sente prazer no consumo do fumo e da bebida alcóolica. Eles usam sim, esses elementos para limpeza espiritual, assim como nos hospitais se usa o álcool para desinfetar aparelhos. Assim como no plano físico, o álcool serve para matar germes e bactérias, no plano espiritual o álcool serve para limpar miasmas e desintegrar larvas astrais. O teor alcóolico é utilizado para desintegrar energias nocivas impregnadas nas pessoas.

É óbvio que os pretos-velhos, caboclos, marinheiros, baianos, Exús e todos os outros espíritos de lei que trabalham na Umbanda não bebem ou fumam porque gostam, porque eles têm algum apego a esse isso. Quem pensa assim, é porque ainda não compreendeu o grau de evolução a que chegaram esses espíritos.

O seu guia espiritual nunca vai abusar da bebida ou do fumo. Quem vai abusar disso é você, porque é um médium fraco. É lógico que todos nós cometemos erros de vez em quando. Isso é normal. Nós somos espíritos ainda muito falhos, em processo de evolução. Mas nós já temos condições de ter essa consciência e assumir a responsabilidade pelos nossos próprios erros.

É essa a mensagem que eu queria passar aqui nesse episódio para vocês. Exerçam a mediunidade com muita responsabilidade, cuidando muito bem do seu corpo físico, para que este sirva de instrumento eficiente na comunicação com o mundo espiritual. Lembrem-se que a mediunidade é uma ferramenta que deve ser utilizada para o seu aprimoramento pessoal e não para desestabilizar a sua vida. Deus nos concedeu a mediunidade para evoluirmos mais rápido e não para tirarmos proveito em benefício próprio.

Espero que vocês tenham gostado do episódio, que tenham gostado das orientações, dos ensinamentos. E continuem acompanhando o nosso podcast nas principais plataformas de áudio: Spotify, Amazon Music, Google Podcast, Deezer, Apple Podcast, AnchorFm, Youtube e, também, pelo nosso site “almadepoeta.com.br“. Um grande abraço, fiquem com Deus, muita responsabilidade no uso do fumo e da bebida. E até o nosso próximo episódio.

Deixe seu comentário

4 comentários

Mais deste assunto

Episódio 35
Nenhum número escolhido ainda