Os Preceitos na Umbanda – Parte 2

Ouvir episódio

Ilustração: Ramira Yuri Ribeiro. Nesse episódio vamos continuar falando sobre os preceitos na Umbanda. Dessa vez, vamos conversar sobre os cuidados que devemos ter durante e depois dos trabalhos mediúnicos.

Transcrição do Episódio

Oi pessoal! Tudo bem? Vamos lá para segunda parte do nosso bate papo sobre preceitos. Na primeira parte a gente falou sobre os preceitos que precisamos seguir antes de começar a gira. Vocês lembram? 24 horas antes, não comer carne, não consumir bebida alcóolica, não praticar sexo, manter o pensamento elevado. Chegando no terreiro, saudar a tronqueira, saudar o cruzeiro, saudar o congá. Nessa segunda parte a gente vai falar sobre os preceitos que precisamos seguir durante e depois da gira. Meu nome é Evandro Tanaka, eu sou médium umbandista e nesse podcast a gente fala sobre Umbanda, Espiritualidade e Mediunidade.

Como eu falei no episódio anterior, o preceito é um resguardo, são regras de conduta que nós precisamos seguir para atingir um objetivo. E qual é esse objetivo? É a elevação das nossas vibrações através a purificação do nosso corpo físico e também dos corpos sutis. Com isso, a gente acaba facilitando o trabalho dos nossos guias espirituais. E eu disse também que todo preceito tem uma razão. Todo preceito tem uma finalidade.

Um outro preceito que existe na Umbanda é o cuidado que a gente precisa ter com a roupa de santo. Quando a gente fala roupa de santo, a gente está se referindo a uma roupa, que para nós Umbandistas, é sagrada. É aquela roupa que é destinada exclusivamente para os trabalhos espirituais. A roupa de santo também é um importante instrumento do trabalhador umbandista e ela precisa ser cuidada com muito carinho.

Na Umbanda, nós utilizamos a roupa branca, né? E a utilização do branco tem muitos significados. A roupa branca simboliza, acima de tudo, a energia de Oxalá, que é justamente o Orixá Maior que coordena a Egrégora da Umbanda. O branco, além de simbolizar a paz, também simboliza a irradiação de todos os outros Orixás. Porque o branco é a união de todas as cores. Mas o branco também tem a função energética de irradiação.

Ao contrário do preto que tem uma função absorvedora. Vocês já andaram no Sol de roupa preta? A gente não sente muito mais calor quando está usando uma roupa escura? Porque o preto absorve o calor dos raios de sol. O branco não! O branco não segura a energia. Ele deixa o calor fluir. Então, quando você está usando uma roupa branca, o raio de sol bate no branco e se dissipa. Com as energias espirituais acontece a mesma coisa. A energia passa pela roupa branca e se dissipa. Ela não fica acumulada no tecido.

Bom, mas vamos lá, falando da roupa branca como um preceito. para que que serve a roupa de santo? A roupa, como qualquer outro instrumento de trabalho na Umbanda, com o tempo vai ficando imantada pelas energias da casa. E essas energias acabam ficando impregnadas no tecido. Por isso que a gente pede para os trabalhadores não utilizarem a roupa de santo em outros locais que não seja o terreiro. Eu já vi muita gente que sai da gira de roupa branca e vai passear, vai na pizzaria, vai para o boteco, vai na casa das pessoas. Isso é totalmente errado. o ideal é usar a roupa de santo apenas para os trabalhos mediúnicos. Colocar a roupa branca minutos antes de começar a gira e tirar a roupa branca assim que terminam os trabalhos. Porque assim, a roupa branca não vai se contaminar com outras energias.

E vocês vão perceber que, com o tempo, se você fizer todos aqueles outros preceitos, a sua vibração vai ficar tão elevada na hora da gira que a roupa vai acabar absorvendo essa energia. E a sua roupa branca, ela vai se transformar numa espécie de escudo contra energias ruins. A sua roupa branca vai ser mais uma proteção que você vai ter, juntamente com as guias que você usa no pescoço.

Então, gente, esse é um outro preceito. Usar a roupa de santo apenas no terreiro, de preferência colocar a roupa branca só quando for começar a gira e tirar quando assim que acabar. E na impossibilidade de você não conseguir trocar de roupa no terreiro, porque nem todo terreiro oferece locais apropriados para isso, pelo menos sai do terreiro e vai direto para casa, sem passar em lugar nenhum.

Qual outro preceito que a gente tem que observar durante a gira? Entrar descalço no abassá, no local onde vai ser formada a corrente mediúnica, no local onde vão ser realizados os trabalhos. E por que disso? Quando a gente fica descalço, o nosso corpo físico entra em contato direto com a terra, o que favorece o descarrego de energias pesadas. A gente acaba atuando como um fio-terra. A energia passa por nós e é descarregada com o contato dos nossos pés com o chão. Numa gira, é totalmente desaconselhável usar qualquer tipo de calçado. Porque isso vai provocar um acúmulo de energia no seu corpo que pode vir a ser prejudicial. Sem contar também que o fato de você entrar descalço no abassá demonstra a sua humildade com relação ao local e aos trabalhos. Então esse é um outro preceito que deve ser seguido durante a gira. Ficar descalço.

Qual é um outro preceito? Usar as guias de proteção penduradas no pescoço. Geralmente essas guias são cruzadas e consagradas pela espiritualidade da casa ou então pelos próprios mentores do médium. Essas guias atuam como uma espécie de para-raios! Elas puxam qualquer tipo de energia maléfica que esteja no ambiente, servindo de proteção espiritual para pessoa que está trabalhando. As guias não são simples adornos. Elas não são enfeites. Tanto é que a espiritualidade pede para que as guias sejam feitas de materiais naturais, na maioria das vezes, sementes, pedras, madeira, porcelana, evitando-se ao máximo usar guias feitas de plástico ou de acrílico. Justamente por conta dessa função que a guia vai ter de absorver energias.

E quais são os preceitos que a gente tem que fazer depois que termina a gira? Guardar as guias, de preferência enroladas num pano ou dentro de um saquinho específico para isso. Tirar a roupa branca, como eu já tinha dito antes, e na hora de ir embora, ir até o congá e agradecer pelos trabalhos que foram realizados, ir até o cruzeiro e agradecer pelas almas que foram encaminhadas, e por último, antes de sair do terreiro, ir até a tronqueira e agradecer pela proteção recebida. Percebam que a ordem se inverte, né? Quando a gente chega no terreiro, exú é o primeiro a ser saudado. E quando a gente vai embora, ele é o último a ser saudado.

E quando você chega em casa, para finalizar, é aconselhável que você tome um banho, nem que seja um banho só com água corrente, para acabar de limpar qualquer resquício de energia que porventura tenha ficado no seu corpo espiritual.

Daí vem a seguinte pergunta: Evandro, eu preciso continuar fazendo aqueles preceitos de não comer carne, de não beber e não fazer sexo depois da gira ou eu posso chutar o pau da barraca?

Gente, eu sou obrigado a ser sincero com vocês. Precisa sim! E eu vou explicar o porquê. O médium tem uma coisa que se chama fluído vital (os kardecistas chamam de ectoplasma). Na verdade, todos nós encarnados temos esse fluído. E a espiritualidade usa o fluído vital do médium para manipular energias. E a gira, apesar de ter acabado no plano físico, ela continua no plano astral. As entidades continuam trabalhando do lado de lá, finalizando os atendimentos que foram dados no dia.

E frequentemente as entidades precisam continuar extraindo do médium, durante mais algum tempo, aquele fluído vital, mesmo o médium já não estando mais fisicamente no terreiro. Às vezes os guias espirituais continuam solicitando a participação do médium até depois que o médium vai dormir. Não são raras vezes que o médium que participou de um trabalho, continua ajudando seus guias espirituais quando projeta o seu espírito durante o sono do corpo físico.

E se o corpo físico ficou poluído nesse meio tempo, toda a ajuda que o médium poderia oferecer para espiritualidade vai por água abaixo. Os espíritos, muitas vezes, ficam sem recursos para finalizar os atendimentos que começaram durante a gira. Vocês entenderam a importância de continuar com os preceitos até a hora de ir dormir?

Daí, no dia seguinte sim, a pessoa pode relaxar e voltar à vida normal. Mas pelo menos de 08 a 12 horas após o término da gira é aconselhável que o trabalhador umbandista permaneça firme no preceito. A espiritualidade agradece muito!

É gente! Vocês pensam que ser médium é fácil? A mediunidade exige sacrifício, renúncia!

E olha, eu estou falando aqui de preceitos corriqueiros, tá? Aqueles que a gente faz sempre que vai participar de uma gira como trabalhador. Existem outros preceitos na Umbanda que as exigências são diferentes.

Nos trabalhos para Oxalá, por exemplo, que é um Orixá que tem uma vibração elevadíssima, a Umbanda pede um preceito de três dias. Na lavagem da coroa da coroa para o batismo também, o preceito é de no mínimo 3 dias.

Tem alguns preceitos para ocasiões especiais na Umbanda, inclusive, que além desses que eu já expliquei, também pede para o médium evitar o tabagismo (pra quem fuma), evitar café, para quem gosta, evitar até chocolate.

Tudo isso serve para que o médium possa atingir uma vibração elevada, purificando o seu corpo físico a fim de poder realizar com eficiência um determinado ritual.

Então, pessoal, só para finalizar aqui o que a gente está falando sobre preceitos, resumindo, nos trabalhos e rituais da Umbanda, a gente precisa manter a vibração elevada. E para isso é necessário ter a atitude mental correta, ingerir os alimentos corretos, ter as condutas corretas, frequentar os lugares certos e se relacionar com as pessoas certas. Simples né?

Tudo isso é necessário porque nós, como seres humanos, estamos em um estado vibracional “impuro”, digamos assim. E para gente chegar num patamar minimamente aceitável de comunicação com os nossos guias espirituais, é necessário purificar a nossa mente e o nosso corpo através de novos hábitos.

O nosso estado de espírito é essencial para que a gente consiga entrar na sintonia propícia para uma boa incorporação. Porque o estado de espírito adequado ajuda inclusive na abertura dos chackras, o que vai facilitar muito a absorção de energias salutares, facilitando assim, a comunicação com as Entidades desencarnadas.

Porque na comunicação mediúnica, não é só guia espiritual que te ajuda. Você também precisa ajudar ele. É um trabalho de colaboração entre as duas partes. E uma das maneiras de você ajudar o seu guia espiritual é fazendo os preceitos da maneira certa.

Bom, pessoal, espero que vocês tenham gostado desse assunto. Eu sei, é difícil de cumprir todas essas exigências, mas é fundamental para se fazer um trabalho mediúnico bem feito. Você vai ver como a sua vida, o seu dia-a-dia vai se transformar para melhor depois que você adquirir o hábito de praticar esses preceitos.

Agradeço imensamente por vocês terem ouvido mais esse episódio. E se vocês estão gostando do conteúdo, compartilhem, comentem, participem. Vocês podem ouvir nosso podcast nas principais plataformas de áudio: Spotify, Amazon Music Google Podcast, Deezer, Apple Podcast, AnchorFm, Youtube e também pelo nosso site “almadepoeta.com.br“. Um grande abraço a todos e até o nosso próximo encontro!

Deixe seu comentário

Mais deste assunto

Episódio 26
Nenhum número escolhido ainda