Falando Mais Sobre Desenvolvimento Mediúnico

Ouvir episódio

A importância do estudo teórico, das atividades práticas e das obrigações para um bom desenvolvimento mediúnico. Em que consiste o estudo teórico? Quais são as atividades práticas? Quais são as obrigações que devemos fazer?

Transcrição do Episódio

Olá, povo da Umbanda! Obrigado por prestigiarem mais esse episódio. Eu quero dizer pra vocês que eu estou me sentindo muito feliz com retorno carinhoso de mensagens que o podcast está recebendo, mensagens de incentivo, mensagens motivacionais, mensagens que nos inspiram a prosseguir nesse trabalho de levar conhecimento sobre espiritualidade. Meu nome é Evandro Tanaka, eu sou médium umbandista e nesse podcast a gente fala sobre Umbanda, Espiritualidade, Mediunidade e de vez em quando sobre as poesias do nosso querido Pai Antônio.

Nesse capítulo, eu quero conversar um pouco mais com vocês sobre o desenvolvimento mediúnico. A gente já conversou um pouquinho sobre isso no capítulo 20, mas aqui eu vou tentar ser um pouquinho mais específico. É óbvio que cada lugar tem uma maneira diferente de se fazer o desenvolvimento mediúnico, cada casa tem o seu jeito próprio, mas falando assim de uma maneira geral, existem certas diretrizes que a gente precisa seguir. Na verdade, eu vou passar para vocês aqui conceitos de procedimentos que eu acho adequado.

Muita gente pensa que fazer o desenvolvimento mediúnico é só ir lá na gira de desenvolvimento, em determinado dia da semana ou então ir no centro kardecista pra participar daqueles cursos lá de aprendizes do evangelho. Só que o processo de desenvolvimento mediúnico é muito mais do que isso. É uma mudança radical de estilo de vida que você tem que adotar. Como assim, Evandro? Então quer dizer que para eu começar a fazer um desenvolvimento mediúnico, eu não vou mais poder levar a vida que eu levo? Mais ou menos… Isso também não é ferro e fogo, não, tá gente! Vai depender do tipo de vida que você leva. Porque tem muitas coisas que algumas pessoas fazem nessa vida que são totalmente incompatíveis com o processo de desenvolvimento mediúnico. Por exemplo: a pessoa que usa drogas ou então um alcóolatra ou aquela pessoa que curte excessivamente uma vida desregrada. É óbvio que essas pessoas vão ter uma dificuldade muito grande em iniciar o seu processo de desenvolvimento mediúnico. Porque essas são atividades totalmente incompatíveis com uma vida mais espiritualizada.

Mas não é por isso também que quem começa a fazer o desenvolvimento mediúnico não pode mais viver, não pode mais aproveitar as pequenas alegrias da vida. O desenvolvimento mediúnico não proíbe a pessoa de tomar um vinho, de tomar uma cerveja de vez em quando, de participar de um churrasco, de ir se divertir em uma balada, vez ou outra… O que eu condeno aqui são os excessos. É quando aquela atividade se torna um vício. A pessoa começa a querer beber muito, a pessoa começa a querer sair toda noite, a sua vida fica de tal maneira desregrada que ela já não consegue mais ter o controle dos seus desejos. A pessoa acaba se tornando escrava de si mesma.

E quando a gente começa a fazer o nosso desenvolvimento mediúnico, a primeira coisa que a gente tem que aprender a controlar são os nossos desejos e os nossos pensamentos. E pra isso, a nossa vida precisa se tornar minimamente regrada, né? Porque o desenvolvimento mediúnico na Umbanda exige do médium muito mais do que ficar uma ou duas horas dentro do terreiro, na gira de desenvolvimento. A Umbanda exige que os seus médiuns ressignifiquem a sua vida, renovem as suas atitudes, que renovem os seus sentimentos. E por que isso é necessário? Ora gente, porque vocês não vão ser médiuns apenas nas horas de gira. Vocês vão ser médiuns 24 horas por dia! Vocês vão estar sob influência direta da espiritualidade desde o momento em que acordam até o momento em que vão dormir. E eu digo mais: vocês vão continuar sendo médiuns até durante o sono do corpo físico quando os seus espíritos desprendem pra dar uma voltinha no plano astral.

Quantas e quantas vezes eu já não sonhei que eu estava trabalhando com as entidades em alguma espécie de atendimento? Diversas vezes eu já tive a nítida percepção, dormindo, que eu estava auxiliando as entidades a fazer algum tipo de trabalho. E essa mediunidade desincorporada, também é lapidada através do estudo e de muita dedicação.

Mas vamos lá! Ah, Evandro, você fala, fala, fala, mas o que é que eu tenho que fazer pra aprimorar a minha mediunidade? Gente, o desenvolvimento mediúnico na Umbanda é composto por três categorias. Eu não sei se é muito certa essa palavra “categorias”, mas eu vou explicar pra vocês. Na Umbanda existe o estudo teórico, existe o estudo prático e existem as obrigações que a gente faz.

O que a gente entende por estudo teórico: leitura, estudar livros relacionados à prática mediúnica, livros que estejam diretamente ligados a estudos espiritualistas. E quando eu falo sobre esse tipo de estudo, eu não estou me referindo apenas ao estudo da Umbanda. Eu estou me referindo a diversas outras áreas de conhecimento que vai agregar muito à sua evolução espiritual. E a evolução espiritual está diretamente ligada à qualidade da comunicação mediúnica que você vai desenvolver. Eu conheci um dirigente espiritual que já é falecido, o Seu Dalmo, ele não era o meu pai de santo, mas eu me espelhava muito na sua conduta e nos conselhos que ele me dava. E ele falava assim: “médium tem que estudar sobre todos os assuntos. Médium tem que gostar de espiritismo, tem que gostar de filosofia, tem que gostar de ciência”.

E até hoje eu aplico muito essas orientações no meu dia-a-dia, sabe? O meu interesse vai muito além da Umbanda, porque a Umbanda é apenas o carro-chefe que me norteia na vida. Mas esse carro chefe, essa locomotiva é composta por diversos vagões. Cada vagão representando uma escola diferente, um universo particular de conhecimento. Então, eu gosto de estudar as obras de Allan Kardec, eu gosto de estudar teosofia, principalmente os livros da Helena Blavatski, os livros da Annie Besant, que eu acho fantásticos, eu gosto de estudar o budismo, eu gosto de ler os ensinamentos dos grandes filósofos: Platão, Sócrates, Aristóteles. A Ramira me apresentou a Antroposofia, que eu não conhecia, mas que também tem um ramo muito vasto de conhecimentos: as obras de Rudolf Steiner. Ultimamente eu tenho estudado bastante o hermetismo. Então, assim, esse estudo teórico é infinito e ele é muito importante, não só pro nosso crescimento espiritual, como também pro nosso desenvolvimento mediúnico.

Eu penso assim, gente, nós Umbandistas, nós precisamos aprender a internalizar a filosofia da Umbanda. E qual é essa filosofia? É a habilidade de agregar conhecimento. Assim como a Umbanda absorveu conceitos e ritualísticas de outras religiões, como eu já falei nos episódios anteriores, nós umbandistas também temos que ter esse espírito absorvedor de conhecimento. E como você vai fazer isso? Através do estudo! O estudo é um dos meios mais eficientes que existe pra gente agregar sabedoria ao nosso espírito. Então, esse é o lado teórico do desenvolvimento mediúnico que é muito importante.

E qual é a segunda parte do desenvolvimento mediúnico? São as atividades práticas que a gente faz. Quando eu falo em atividade prática, eu estou me referindo a você participar das giras de desenvolvimento no terreiro, eu estou me referindo a você reservar determinados momentos do seu dia ou da sua semana pra prática da meditação, eu estou me referindo a você absorver conhecimentos de médiuns mais experientes, de você debater assuntos relacionados ao tema com outras pessoas do seu círculo de amizades. Tudo isso também faz parte do desenvolvimento prático.

No meu caso, por exemplo, eu acabo usando esse podcast aqui como uma espécie de desenvolvimento mediúnico. Porque eu tenho toda uma ritualística aqui pra começar a gravar o podcast, né? Eu faço as minhas preces, eu tento entrar em conexão com os meus guias antes de começar a falar qualquer coisa. E sabe o que eu percebi? Muitas vezes eu sinto a presença deles do meu lado me intuindo a dizer determinadas coisas. Eu até já comentei antes aqui pra vocês que muitas vezes eu me programo pra falar sobre um determinado assunto, e quando eu vou ver, eu estou falando de um assunto totalmente diferente daquilo que eu me propus. Então, eu vejo isso também como um desenvolvimento prático da minha mediunidade. É lógico que não é aquela mediunidade de incorporação que eu tenho no terreiro, porque aqui eu não entro em um estado alterado de consciência. Eu mantenho a minha lucidez, digamos assim, eu tenho pleno domínio daquilo que eu estou falando, diferente da gira, quando as palavras vão brotando da minha boca de uma maneira muito mais descontrolada. Mas mesmo assim, enquanto eu gravo o podcast, eu percebo a influência das entidades no meu pensamento.

O que mais que a gente pode considerar como desenvolvimento prático? A sua conduta no dia-a-dia. A capacidade que você desenvolve de se autocontrolar, de vigiar os seus pensamentos e os seus sentimentos constantemente. E isso, gente, é fundamental para um desenvolvimento equilibrado da mediunidade. É por isso que o kardecismo fala tanto em reforma íntima. No kardecismo, antes de você desenvolver a sua mediunidade, é necessário que você faça a sua reforma íntima. Pra você não ficar a mercê de espíritos sem luz. De entidades que querem se aproveitar dos canais mediúnicos que estão sendo desobstruídos em você para muitas vezes agir em interesse próprio, ou com o intuito de te prejudicar.

Quando eu falo em desenvolvimento prático da mediunidade, eu estou falando também nas boas obras que você começa a fazer. Às vezes você leva uma palavra amiga, uma palavra de conforto pra quem está precisando, às vezes você faz a caridade pra alguém que cruza o seu caminho, às vezes você ajuda gente que nem conhece. E você vai perceber, com o amadurecimento da sua mediunidade, que muitas das atitudes que você tem na sua vida diária, são influenciadas pelo plano espiritual. Esse é o lado bacana da gente fazer o desenvolvimento mediúnico: a gente começa a ter essa consciência das influências externas que acabam interferindo na nossa vida, nas nossas decisões. Então, esse é o lado prático do desenvolvimento mediúnico que a gente tem que lapidar.

E qual é a terceira parte do desenvolvimento mediúnico na Umbanda? São as obrigações. Eu tenho certeza que tem um monte de gente querendo saber que raio de obrigações que são essas! Quando eu falo em obrigações, pessoal, eu não estou me referindo a nenhuma exigência das entidades! As Entidades na Umbanda não exigem nada de ninguém! Obrigações são no sentido de você se comprometer a fazer determinadas coisas. Eu já falei dos preceitos na Umbanda que a gente precisa ter, né? Quem ainda não ouviu, eu falo bastante sobre preceitos nos episódios 25 e 26. Dá um play lá que vocês vão entender melhor.

Outro tipo de obrigação que a gente se predispõe a fazer quando iniciamos o nosso desenvolvimento mediúnico são as orações quando acordamos e antes de dormir. Essas orações são importantes porque é uma espécie de firmeza pro nosso anjo da guarda. Vocês entendem? Quando nós acordamos, o primeiro pensamento tem que ser direcionado a Deus, à espiritualidade superior, aos nossos guias. Porque essa sintonia vai acompanhar a gente durante todo o nosso dia! A oração matinal, ela tem o condão de adestrar o nosso corpo mental. Através da oração, a gente condiciona o nosso pensamento a permanecer em um estado vibratório mais elevado. E isso facilita muito a nossa conexão com o mundo espiritual.

E pra dormir é a mesma coisa. Qual é a importância da gente fazer as nossas orações antes de nos desprendermos do corpo físico? Pra que o nosso espírito já saia do corpo em um padrão vibratório elevado. Porque tem muita gente que vai dormir perturbada, né? Vai dormir cheia de preocupação, às vezes com o sentimento ruim. E isso faz com que o espírito dela se desprenda do corpo físico em um estado de desequilíbrio. Porque quando a gente dorme perturbado, o nosso espírito desacopla do corpo físico nessa mesma vibração. Como dizem os jovens: na mesma vibe! Daí você não vai conseguir enxergar os seus mentores, você não vai estar em um estado propício de ajudar, nem de ser ajudado. Às vezes os seus guias espirituais vão estar lá, do seu lado, e você não vai conseguir perceber a presença deles, porque o seu estado vibratório vai estar em uma frequência muito diferente da deles. Essa é a importância de nós fazermos as nossas orações antes de dormir.

Mas vamos lá! Outra obrigação na Umbanda que ajuda muito na conexão com nossos guias: cultuar eles em determinados dias da semana. Você pode cultuar as suas entidades, especificamente, se você souber quais são elas. Ou se você não souber qual entidade te acompanha, você pode cultuar a linha de trabalho. Por exemplo, na segunda-feira você pode cultuar a linha dos pretos-velhos. Você pode fazer um cafezinho preto, sem açúcar pro seu preto-velho ou pra sua preta-velha e colocar em cima do seu altar ou em algum lugar tranquilo da sua casa. Na terça feira você pode fazer um agrado pro seu marinheiro ou pra um caboclo de ogum, na quarta você pode fazer uma oferenda pro seu cigano, pra sua cigana, colocar uma tacinha de vinho pra eles. Ou então fazer uma oferenda pra um caboclo de xangô, se você trabalha com essa linha. Na quinta você pode cultuar os caboclos de Oxóssi, oferecer uns pedaços de frutas ou folhas ou ervas. Na sexta você pode cultuar a linha da esquerda (Exús, Pombajiras), pode oferecer uma bebida pro seu Exú ou colocar um perfume ou flores pra sua Pombajira. No sábado você pode cultuar a linha dos boiadeiros, no domingo você pode cultuar a linha dos Erês.

Tem gente que prefere, ao invés de cultuar as entidades, cultuar diretamente os Orixás. Não tem problema nenhum. Você faz as oferendas da mesma maneira. Acende as suas velas, coloca um ou outro elemento de cada Orixá. Se você preferir fazer o culto aos Orixás, você pode cultuar Obaluaê ou Omulú na segunda (ou então se você cultua o Orixá Exú, também na segunda), você pode cultuar Ogum na terça, Xangô e Iansã na quarta, Oxóssi na quinta, Oxalá na sexta, Iemanjá ou Oxum no sábado, você pode cultuar Nanã no domingo (ou Ibeji, se você cultua esse Orixá também).

O importante aqui, gente, é você estabelecer um dia específico da semana pra sintonizar o seu pensamento e o seu sentimento na energia daquele Orixá ou de uma determinada linha de trabalho. Não importa muito o dia que você vai estabelecer pra cultuar determinado Orixá ou determinada Entidade. Isso é o de menos. O importante é você fazer esse exercício constantemente. Isso tem que virar um hábito na sua vida. Com o tempo, você vai perceber que a sua percepção mediúnica vai ficar muito mais aflorada. Esse culto aos Orixás e às Entidades também faz parte do processo de desenvolvimento mediúnico.

A gente tem também na Umbanda outras obrigações que contribuem, de certa forma, para o aprimoramento da mediunidade. A gente tem, por exemplo, os amacis que são feitos de tempos em tempos. Os rituais realizados nos pontos de força da natureza: na cachoeira, na praia, nas montanhas, na calunga, nas encruzilhadas, nos lagos, na mata. E toda essa ritualística serve pra fortalecer a coroa do médium, serve pra intensificar e harmonizar o contato que ele tem com o plano espiritual, serve pra aproximar ainda mais a energia do médium com os seus guias. Então essa é a contribuição das obrigações para o desenvolvimento mediúnico.

Então, gente, recapitulando aqui: o desenvolvimento mediúnico engloba três partes: o estudo teórico, a prática no seu dia-a-dia e as obrigações oferecidas pelo seu terreiro.

Espero que vocês tenham gostado dessa explicação. Se vocês tiverem qualquer tipo de dúvida, podem mandar pra mim que eu vou ter o maior prazer em respondê-las. Se vocês quiserem, podem acessar o site “alma de poeta”. Lá tem um link escrito contato. É só você preencher o formulário e clicar no botão enviar que eu recebo a sua mensagem. Ou então, se você preferir, pode escrever direto do seu e-mail. O endereço é contato@almadepoeta.com.br. Manda lá uma mensagem pra mim! Eu fico muito feliz quando recebo um feedback de vocês! Eu respondo a todas as mensagens, com o maior carinho.

Fiquem com Deus, firmes no seu propósito evolutivo. Para aqueles que estão fazendo o desenvolvimento mediúnico, mantenham a disciplina, tentem viver uma vida regrada, sem muita bagunça. Prestem muita atenção nas coisas que acontecem no seu dia. Porque muitas vezes, a espiritualidade nos fala através de sinais. Um grande abraço e até o nosso próximo episódio!

Deixe seu comentário

Mais deste assunto

Episódio 44
Nenhum número escolhido ainda