Uma Homenagem a São Jerônimo

Ouvir episódio

Hoje, 30 de setembro, é o dia de São Jerônimo que, para muitos umbandistas, é sincretizado com o nosso Pai Xangô. Então, segue aqui a minha homenagem a esse Orixá maravilhoso que rege a minha coroa!

Transcrição do Episódio

Salve, minha família abençoada! Povo da Umbanda! Recebam todos vocês o meu abraço! E hoje eu estou gravando esse episódio aqui para comemorar o dia de mais um Orixá! Hoje, 30 de setembro, é o dia de São Jerônimo que, para muitos umbandistas, é sincretizado com o nosso Pai Xangô. Então, muitos terreiros comemoram o dia de Xangô na data de hoje! Isso, pelo menos aqui no Estado de São Paulo. Aí onde você mora, eu não sei… talvez Xangô seja sincretizado com São João Batista ou com São Judas Tadeu, né? No caso de São João Batista, a comemoração é no dia 24 de junho. E se você sincretiza Xangô com São Judas Tadeu, a comemoração é no dia 28 de outubro. Mas como eu sempre sincretizei Xangô com São Jerônimo, então eu comemoro o dia de Xangô hoje, 30 de setembro!

E eu tenho um carinho muito grande por Xangô porque ele é o Orixá que rege a minha coroa! Xangô é o meu Pai na Umbanda! Aquele que faz a Justiça! Aquele que escreve as leis de Deus! Aquele que dá a cada pessoa aquilo que ela merece! Sejam coisas boas ou sejam coisas ruins!

É isso o que eu peço para o dia de hoje, meu Pai: Paz para a humanidade! Que todos nós possamos encontrar o verdadeiro significado da vida. Que nós possamos compreender a tua Lei e a tua Justiça para seguirmos sempre pelo caminho reto! Que o teu machado de duas lâminas sirva de advertência a todos nós, para que nós possamos controlar os nosso ímpetos e não cair em desgraça perante ti.

Meu Pai Xangô, hoje eu subo em pensamento até o alto da sua pedreira para cantar em tua homenagem! Para ouvir mais alto o rugido do teu trovão!

Meus irmãos, vocês querem receber as bençãos de Xangô? Então façam o bem! Pratiquem boas obras! Porque Xangô vai escrever cada atitude que você tiver no livro da sua existência. E o teu livrinho, nessa vida, é como se fosse uma caderneta que tem duas colunas: Em uma coluna Xangô anota os seus créditos e em outra coluna ele anota os seus débitos. E quando você voltar para o plano espiritual, você vai ter que apresentar a sua caderneta para Xangô fazer a contabilidade. Para ver se você tem saldo positivo ou saldo negativo.

Eu costumo brincar com o pessoal que todos nós, quando nascemos, abrimos uma conta no Banco da Divina Providência. E para cada boa obra que nós praticamos, vai caindo um dinheiro para a gente na nossa conta. E para cada atitude ruim, a gente vai contraindo débitos. E como se a gente estivesse fazendo dívidas que vamos precisar quitar depois.

Como é que você quer voltar para o lado de lá? Com a sua conta no azul ou com a sua conta no vermelho? Porque se você voltar para lá com saldo negativo, Xangô vai olhar para sua cara e vai falar: “Eu não quero saber! Você contraiu dívidas, você vai ter que pagar”. E não tem esse negócio de renegociar, não! Você vai ter que pagar até o último centavo!

Eu estou falando isso, não é para assustar ninguém, mas é para a gente cair na real. O que nós estamos fazendo da nossa vida? Como é que está o saldo da sua conta no Banco da Divina Providência? No meu caso, eu estou no cheque especial ainda! Eu estou lutando para pagar as dívidas que eu contraí no passado. Mas, se Deus quiser, eu pretendo pagar todo o meu boleto ainda nessa encarnação, para eu poder voltar para o plano espiritual com um pouquinho de crédito, pelo menos!

Mas vamos ouvir mais um ponto de Xangô! Porque detrás daquela serra tem uma linda cachoeira. E é em cima essa cachoeira que Xangô arrebenta as sete pedreiras!

Um dos elementos de Xangô aqui na Terra são as pedras. As pedras que trazem solidez para as nossas vidas! Se você for construir uma casa, constrói a sua casa de pedra. Porque são essas pedras que vão resistir ao tempo! São essas pedras que vão te proteger das adversidades da vida. Mas toma cuidado, porque da mesma maneira que Xangô usa as pedras para te proteger, ele também vai derrubar as pedras na sua cabeça se você fizer algo errado. Lembra daquele ponto? “Pedra rola da pedreira, em cima de quem errou! Justiça quem faz Ele, porque Ele é Xangô”. A pedra também é um símbolo da Justiça de Xangô, assim como é o Oxé (o seu machado).

E quando a gente começa a compreender a Justiça de Xangô, quando a gente começa a ter fé nessa Justiça, a gente pára de ser revoltar com as coisas erradas que acontecem no mundo. A gente pára de ser revoltar com as pessoas, a gente pára de se revoltar com as situações. Porque a gente sabe que, mais cedo ou mais tarde, Xangô vai dar um jeito naquilo. A gente não precisa se preocupar. Porque como diz o ditado: “A Justiça de Deus tarda, mas não falha”.

E quando a gente começa a compreender e aceitar a Justiça de Xangô, essa compreensão nos traz paz! A paz que nós precisamos para seguir em frente! Se alguém te prejudicou nessa vida, se alguém puxou o teu tapete, coloca na mão de Xangô. Ele vai saber o que fazer aquela situação.

Porque da mesma maneira que o estrondo do trovão anuncia a tempestade. Xangô também costuma bradar na vida das pessoas. E quando você ouvir o brado de Xangô, que esse brado seja em teu favor! Que Xangô possa trovejar nos ouvidos daqueles que te querem o mal. Quando você for louvar Xangô, pede para Ele que derrame sobre a sua vida a Justiça de que você é merecedor! Cumpra-se a Tua Lei, meu Pai! Se eu fiz coisas erradas nessa vida, que o Teu Trovão possa me alertar, a fim de que eu tenha tempo suficiente para reparar o mal praticado. E se eu fiz coisas boas nessa vida, Senhor, derrama sobre mim as tuas bençãos. Que a Tua Graça sirva de incentivo para que eu continue firme na caminhada.

Leva o teu brado, Xangô, para todos os cantos desse mundo: nas cidades, no campo, nas aldeias e nas cachoeiras!

É isso que o ponto fala, né gente? Do alto da pedreira, vem fazer justiça para nos ajudar! Porque a Justiça de Xangô, mesmo quando a gente faz coisa errada, vem sempre para nos ajudar! A Justiça de Xangô tem duas faces: Se você faz coisas boas, ela vem para te recompensar. E se você faz coisas erradas, ela vem para te corrigir. Mas perceba que essa correção não é para te punir pelo mal que você fez. Porque Deus não pune ninguém. E Xangô é um representante direto de Deus. A Justiça dele tem um aspecto correcional. Ela cai sobre a nossa cabeça para que a gente aprenda que aquilo é errado. Para que a gente desperte mais rapidamente para o caminho do bem!

E para terminar, eu quero aproveitar esse episódio, assim como eu fiz na homenagem a São Cosme e Damião, para também fazer uma prece para o meu Pai Xangô. Eu sinto essa necessidade de entrar em contato direto com ele, não apenas por meio dos meus sentimentos, mas também por meio das palavras.

Senhor, meu Pai… infinita é a tua morada no espaço, apesar do teu ponto de energia se concentrar nas pedras da cachoeira. Com a tua Justiça e com as tuas pedras, Tu fizeste uma construção digna de um rei, Senhor! E são as tuas pedras e a tua justiça que construíram esse castelo que nos protege e nos fortalece!

Meu Pai Xangô, Tu que és o representante da Justiça de Deus nesse mundo, Tu que julgas os vivos e os mortos com a mesma imparcialidade, protege-nos das mazelas da vida e também dos perseguidores mal-intencionados. Livra-nos, meu Pai, do desespero e da dor. Livra-nos dos inimigos, dos invejosos, das pessoas de mau-caráter.

Oh poderoso Orixá, meu companheiro e guia nesta vida, Senhor supremo da Lei do Carma… atua em nossas vidas, meu Pai, para que possamos receber o teu julgamento sempre justo! Senhor das montanhas, do raio e do trovão! Atua em nossas vidas para que nós possamos melhorar o nosso caráter.

Ajuda-nos, meu pai, com a tua prudência, com os teus conselhos, com as tuas advertências, para que nós possamos estar prevenidos contra os atos insensatos dos nossos irmãos ainda ignorantes da Tua Lei.

Nós colocamos em tuas mãos todas as pendências que possuímos, porque hoje nós sabemos que vós sois o Grande Julgador. Que assim seja e assim será!

Ufa!!! Até arrepiei aqui agora! Quase que eu incorporo! Deixa eu respirar um pouco…

É isso, pessoal! Espero que vocês tenham gostado dessa singela homenagem. Agradeço imensamente por vocês estarem ouvindo o podcast. E contem comigo para tirar dúvidas, para conversar, para trocar conhecimento. Se vocês ainda não conhecem, o Alma de Poeta tem um site onde vocês podem mandar mensagens para mim. Ou então, se vocês preferirem, pode entrar em contato comigo diretamente do seu e-mail. É só digitar o endereço contato@almadepoeta.com.br.

Um grande abraço a todos! Fiquem com Deus. E que a Justiça do nosso Pai Xangô possa atuar para proteger a vida de cada um de vocês!

Deixe seu comentário

Mais deste assunto

Episódio 59
Nenhum número escolhido ainda