Uma Homenagem à Maria Padilha

Ouvir episódio

Maria Padilha, assim como todas as pombajiras, traz o arquétipo da mulher empoderada, aquela que arregaça as mangas e vai atrás do que quer, do que precisa. Pombajira é aquela mulher que mostrou a sua força, que conquistou o seu espaço na sociedade.

Transcrição do Episódio

Olá, meus irmãos e minhas irmãs! Sejam bem-vindos a mais um episódio do Podcast Alma de Poeta! Hoje eu quero fazer uma homenagem a uma Entidade maravilhosa. Um espírito que, assim como Zé Pelintra, também vem carregada de mistérios. Hoje eu quero homenagear uma das pombajiras mais famosas que existe na Umbanda: Dona Maria Padilha. Espero que vocês gostem. Meu nome é Evandro Tanaka, eu sou médium umbandista e aqui a gente fala sobre Umbanda, Espiritualidade, Mediunidade e também sobre Poesias de um preto-velho.

Bom, dentro da Egrégora da Umbanda existe uma espécie de hierarquia, né? Tem alguns espíritos que evoluíram tanto, que eles adquiriram o mérito de coordenar grandes atividades. Nós chamamos esses espíritos de chefes de falange. Então, o Seu Zé Pelintra é um chefe de falange, o Seu Tranca Ruas é outro chefe de falange. E a Dona Maria Padilha também é uma chefe de falange.

Maria Padilha é uma entidade que representa a energia feminina das pombajiras. E ela, como chefe de falange, coordena uma grande legião de espíritos femininos. São espíritos que recebem a roupagem fluídica da Maria Padilha e obtem a permissão de trabalhar usando o nome dela.

E um dos lugares onde essas pombajiras são mais atuantes, você sabe onde é? No Cemitério! O cemitério é onde uma enorme falange de espíritos femininos chamados “Maria Padilha das Almas” costuma trabalhar. Então, Dona Maria Padilha, abre essa cova que eu quero ver tremer, porque o cemitério é o seu lugar.

Salve Dona Maria Padilha! É na calunga que a Padilha mora, é na calunga que ela vai chegar! Como vocês sabem, as pombajiras trabalham muito o nosso lado sentimental. A especialidade delas é no campo do amor, as pombajiras atuam no campo energético do chackra cardíaco. Mas elas também tem diversas outras funções. Elas também trabalham na proteção, elas também lutam contra o baixo astral. Elas pegam em armas para enfrentar os kiumbas. No plano espiritual, elas têm as mesmas funções, praticamente, dos Exús, só que elas possuem essa característica, essa especialidade de saber lidar muito bem com as coisas do coração.

Só que assim, pessoal, a gente precisa tirar esse estereótipo negativo de que pombajira é mulher da vida, pombajira é prostituta, de que pombajira só faz trabalho de amarração. Não é nada disso! Quem pensa assim, não entende nada de espiritualidade, muito menos de Umbanda.

Tem um ponto de Maria Padilha que é muito mal interpretado. Aliás, como vários pontos da esquerda, né, que tem duplo sentido. Eu vou colocar ele aqui para tocar. Vamos abrir a roda e deixar Maria Padilha dançar.

Assim gente, quando o ponto fala que ela tem dois amores, que um amor é o seu marido e outro amor é o seu namorado, logo em seguida o ponto fala que o marido é tranca-rua e o amante é o seu zé. E mais para frente um pouco, o ponto fala que Maria Padilha é mulher de Satanás. Gente do Céu! Eu fico imaginando o que deve passar pela cabeça de um católico ou de um evangélico quando ouve um ponto desses!

Agora, vamos trazer essa simbologia para a Umbanda? O ponto canta que o marido de Maria Padilha é o Seu Tranca-Ruas. Isso significa que Maria Padilha trabalha muito próxima, tem muita intimidade com o povo da rua, com o povo das encruzilhadas. Depois o ponto canta que o Seu Zé é o amante de Maria Padilha. A gente está falando de Zé Pelintra. O que ele representa? A Malandragem, a boemia, a esperteza. Porque Maria Padilha também trabalha nessa vibração. Ela trabalha ajudando pessoas nas ruas, mas também ela trabalha nos estabelecimentos noturnos, tentando orientar e proteger as pessoas. Essa é a ligação dela com os Malandros. E quando o ponto fala que ela é mulher de Satanás. O que será que isso quer dizer? Significa que ela tem uma intimidade muito grande com o baixo-astral. Ela conhece intimamente os meandros das regiões umbralinas. Por isso que muito ponto fala que ela é mulher do Diabo, ela é mulher de Satanás. Ninguém melhor do que a mulher para conhecer a intimidade do seu parceiro.

Vamos ouvir mais um ponto de Maria Padilha? Porque ser rainha, não é só sentar no trono. Para ser rainha, tem que saber governar.

Maria Padilha, assim como todas as pombajiras, traz o arquétipo da mulher empoderada, aquela que arregaça as mangas e vai atrás do que quer, do que precisa. Pombajira é aquela mulher que mostrou a sua força, que conquistou o seu espaço na sociedade. Porque a nossa sociedade, até bem pouco tempo atrás, era muito machista, né? Se bem que hoje ainda é em muitas situações, mas bem menos do que era algumas décadas atrás. E a pombajira trouxe essa independência feminina, essa rebeldia com as instituições machistas. Ela vem ensinar que todos nós, apesar de termos os nossos papéis na sociedade e na natureza como homem e mulher, devemos ser igualmente respeitados, igualmente bem tratados, nós devemos ter oportunidades iguais. E a pombajira vem mostrar que as mulheres também são fortes, assim como os homens. Mas elas são fortes à sua maneira. É a força feminina que se manifesta com sutileza, com beleza, com delicadeza.

Vamos tocar mais um ponto para essa pombajira maravilhosa! O que será que aconteceria se a gente encontrasse uma pombajira incorporada no salão?

Maria Padilha, sendo uma trabalhadora da linha de esquerda, também trabalha quebrando demanda, quebrando forças negativas que possam estar atuando nas pessoas encarnadas. E quando a gente fala em Maria Padilha, existem diversas vertentes. A chefe de falange, Maria Padilha, coordena espíritos femininos que trabalham em locais muito diferentes. É por isso que às vezes a gente ouve o nome Maria Padilha das Almas ou Maria Padilha da Calunga que são aquelas falangeiras que trabalham no cemitério; Tem também Maria Padilha da Estrada que trabalham junto com os tranca-ruas; Maria Padilha do Cabaré, Maria Padilha da Encruzilhada; Tem Maria Padilha do Ouro, Maria Padilha da Cachoeira. Percebam que essa complementação do nome já traz uma ideia do tipo de energia que aquela falangeira trabalha. E são diversas falanges que trabalham sob o comando de uma única entidade principal chamada Maria Padilha.

Maria Padilha é uma pombajira muito feliz, sorridente, mas ela é muito séria durante trabalho. A Maria Padilha traz uma energia muito parecida com a energia de um comandante. E não poderia deixar de ser, né? Porque ela comanda uma legião de espíritos femininos que atuam no desmanche das demandas.

Maria Padilha traz a beleza, traz a riqueza. Ela gosta de rosas vermelhas, gosta de beber champagne. E ela sempre trabalha de mãos dadas com a energia masculina de Exú, porque ela tem consciência de que uma energia complementa a outra. A energia masculina de exú é complementada pela energia feminina de uma pombajira e vice-versa. Porque, gente, muitas vezes um Exú não entra em determinados lugares da espiritualidade, em determinados sítios vibracionais que a pombajira entra e se sente muito à vontade.

Quer fazer uma oferenda para Maria Padilha? Deposita uma rosa vermelha dentro da calunga, do lado esquerdo do cruzeiro, ou então na porteira do cemitério. E as oferendas que a gente faz para Maria Padilha não é só para questões amorosas, não! A gente também pede para ela abrir os nossos caminhos, ajudar nos nossos empreendimentos. Porque a energia da Dona Padilha é uma energia ativa. Assim como todo Exú, ela também recebe uma irradiação de Ogum. Por isso, a ajuda que ela dá tem muito essa coisa de vencer obstáculos, de superar desafios. Apesar de que, como toda pombajira, ela também recebe uma irradiação de Oxum, que fica muito evidente na sua sensualidade, na sua beleza.

Saravá Maria Padilha, na sua força, na sua luz!

Nossa, esse ponto de Maria Padilha é muito bonito! Salve Maria Padilha! A Maria Padilha tem uma beleza forte. A sua presença impõe respeito e admiração. E ela batalha incansavelmente para nos dar aquilo que nós estamos precisando receber. Quando nós fazemos um pedido para Maria Padilha e ela recebe a permissão de nos ajudar, ela ativa aquela força dela e sai para a guerra, sai para ajudar o seu assistido.

E olha, gente, eu vou falar uma coisa para vocês… As falangeiras de Maria Padilha dão muita importância ao feminino. Você, homem, que não respeita o sagrado feminino, pode ter certeza que mais cedo ou mais tarde vai ter que dar explicação para Maria Padilha. E essa explicação vai ser bem dolorosa. Porque ela é uma das entidades que representa a força da mulher. E como toda mulher, Maria Padilha é dedicada! Ela é dedicada ao trabalho que ela faz, ela é dedicada aos seus médiuns… claro, desde que os seus médiuns não a desrespeite. Se você é médium e tem a Maria Padilha como guia espiritual, e se você cuidar bem dela, ela vai te defender sempre com unhas e dentes. Vamos ouvir um outro ponto da Padilha? Que tal se eu passar o endereço da onde ela mora para vocês? Sabe qual é o endereço dela? Cova 66, corredor 40!

Mas Maria Padilha também tem uma habilidade muito grande de levantar a nossa energia. Se você pede ajuda para a Maria Padilha, primeiro, ela vai lá no fundo da tua alma e puxa o que você tem de melhor. Ela faz você buscar, empreender, ter iniciativa. E assim, a Maria Padilha ajuda tanto homem quanto mulher, tá? Se você é um homem que respeita o feminino, pode ter certeza que ela vai trabalhar ao seu favor. Da mesma maneira, se você é uma mulher que se valoriza, ela também vai atuar para suprir as suas necessidades.

Tem duas coisas que Maria Padilha detesta: é homem machista e mulher submissa. Se você se encaixa numa dessas duas categorias, é melhor passar longe de Maria Padilha, porque o dia que ela cruzar o teu caminho, não vai prestar.

É lógico que Maria Padilha não vai presa, né gente? Nem vai sofrer nenhum tipo de punição no mundo espiritual, porque se ela tirou a vida de alguém, é porque ela agiu como executora do karma. Vocês lembram que a gente já conversou sobre isso? Uma das funções de Exú e Pombajira é exatamente essa: executar o nosso karma.

Você quer acender uma vela para Maria Padilha para fazer um pedido ou para fazer uma homenagem, acende uma vela vermelha e preta. Ela usa a cor preta para absorver as energias negativadas e ela usa o vermelho para potencializar as coisas na sua vida. Ou então acende uma vela só vermelha. Acendendo uma vela vermelha e preta ou acendendo uma vela só vermelha, não tem erro.

Você quer fazer um padê para agradar Maria Padilha: faz um padê misturando mel com farinha de mandioca. E enquanto você vai misturando, você já vai pedindo para ela trazer prosperidade pra sua vida. Se você quiser, enfeita o seu padê com 7 folhas da fortuna, ou então com 7 pétalas de rosa vermelha. Entrega o seu padê na tronqueira. Ou então, coloca ele na cachoeira ou no santuário. Você vai ver como Maria Padilha vai começar a agir na sua vida, tanto na questão financeira quanto na questão amorosa. Mas para você receber essas bençãos, eu repito, você tem que ter merecimento para isso.

Quer ouvir um outro ponto forte de Maria Padilha? Esse ponto é muito cantado na Quimbanda.

É isso aí! Vem serrar madeira na minha vida, Dona Maria Padilha das Almas! As falangeiras de Maria Padilha são, na grande maioria, pombajiras guerreiras, acostumadas a pegar no pesado, são entidades que fazem a força da mulher se manifestar. E é engraçado, né? Porque elas são espíritos femininos de uma beleza estonteante, mas ao mesmo tempo fortes, determinadas. Se você é médium, seja homem ou mulher, e você recebe Maria Padilha, faça por merecer essa graça de Deus na sua vida!

Bom, espero que vocês tenham gostado dessa singela homenagem que eu fiz a essa pombajira maravilhosa que nos protege, que ajuda a equilibrar a nossa vida sentimental, que abre os nossos caminhos! Se vocês gostaram de mais esse episódio, continuem acompanhando o Alma de Poeta pelas principais plataformas de áudio. Nós estamos presentes no Spotify, no Deezer, no Amazon Music, no Google Podcast, Apple podcast, Youtube. E você também pode ouvir todos os espisódios anteriores acessando o nosso site: almadepoeta.com.br . Entrem lá, deixem uma mensagem para mim, mandem suas dúvidas, seus elogios, suas críticas, suas sugestões. Eu vou ficar muito feliz em responder.

Um grande abraço a todos, fiquem com Deus. Que nossas irmãs pombajiras possam trazer paz para o nosso coração. Laroiê Pombajira, Laroiê! Pombajira é mojubá!

Deixe seu comentário

Mais deste assunto

Episódio 74
Nenhum número escolhido ainda