O Orixá Regente de 2022

Ouvir episódio

A astrologia é só uma das formas que a Umbanda identifica o Orixá Regente. Tem casa que prefere usar a numerologia, tem casa que prefere anunciar o Orixá regente de acordo com a interpretação do guia chefe dos trabalhos.

Transcrição do Episódio

Olá, meus irmãos e minhas irmãs de podcast, minha família espiritual! Bom dia, boa tarde, boa noite a todos! Estamos iniciando mais um episódio do Podcast Alma de Poeta e esse, provavelmente, será o último episódio do ano de 2021. Passou rápido, né gente? Parece que foi ontem que eu gravei o primeiro episódio do Alma de Poeta e nós já completamos nove meses de existência! Gratidão a vocês que estão acompanhando os assuntos, a vocês que participaram, mandando mensagens. Esse foi um ano muito bom para mim, por conta dessa interação que o Podcast me proporcionou com pessoas tão maravilhosas!

E para encerrar o ano, eu quero falar um pouquinho sobre o Orixá regente de 2022. Tem gente que acredita, tem gente que não acredita. É mais ou menos igual horóscopo, né? Tem gente que acha que faz sentido, tem gente que acha que é bobeira. É difícil até da gente entrar num consenso de qual vai ser o Orixá Regente, mas isso está se tornando meio que uma tradição na Umbanda, sabe? Assim como na Astrologia, as pessoas apontam determinados planetas como sendo o regente do ano novo, na Umbanda a gente sincretiza esses planetas com os nossos Orixás. Meu nome é Evandro Tanaka, eu sou médium umbandista e nesse ano que passou, a gente falou muito sobre Umbanda, Espiritualidade, Mediunidade e também poesias de um Preto-Velho.

Bom, gente, antes de começar, eu quero fazer uma explicação rápida para vocês. No Candomblé, as pessoas identificam o Orixá Regente do próximo ano por meio do jogo de búzios. Mas a Umbanda não usa os búzios, nem para saber qual é o Orixá Regente, nem para identificar o Orixá de cabeça, nada disso. Daí vocês podem me perguntar: bom, mas e aí? Como é que a Umbanda identifica qual vai ser o Orixá regente do próximo ano?

A maioria dos terreiros de Umbanda costuma fazer uma espécie de sincretismo astrológico. É isso mesmo! Eu já falei muito com vocês sobre sincretismo religioso, né. A Umbanda usa uma espécie de sincretismo astrológico, relacionando cada Orixá com um determinado astro ou com um determinado planeta.

Então, na Umbanda, o Sol está relacionado com Oxalá (por ser a luz que ilumina o nosso planeta); a lua está relacionada com Iemanjá, mas também pode se relacionar com Nanã; Marte (o deus da guerra) está relacionada com Ogum; Vênus (a deusa do amor) está relacionada com Oxum; Mercúrio está relacionado com o Orixá Ibeji (eu acho que é porque ele gira rápido em volta do Sol, né? E também por que Mercúrio é o planeta mais próximo da nossa estrela, assim como são os Erês: as Entidades mais próximas de Oxalá, mas Mercúrio também está relacionado com Oxumaré; Júpiter está relacionado a Xangô; Saturno está relacionado a Obaluaê; Iansã está relacionada com Urano; o Orixá Exú está relacionado com Plutão (afinal de contas, Plutão é o planeta do nossos sistema solar que está mais longe do sol).

E para mim, essa associação astrológica, dentre tantas fórmulas que existem para identificar o Orixá Regente, talvez seja a mais natural. É natural que aconteça essa associação, porque nós, umbandistas, entendemos os Orixás também como forças da Natureza. E os planetas do nosso sistema, assim como o Sol e a Lua, fazem parte dessa força natural que existe no Universo. Mas a astrologia é só uma das formas que a Umbanda identifica o Orixá Regente. Tem casa que prefere usar a numerologia, tem casa que prefere anunciar o Orixá regente de acordo com a interpretação do guia chefe dos trabalhos. E se a casa de Umbanda tem um viés mais candomblecista, ela também acaba jogando búzios, assim como acontece no candomblé.

Eu, particularmente, prefiro usar esse sincretismo astrológico, mas daí vai da preferência de cada um, vai da fé de cada um. Essa é a beleza da Umbanda! A Umbanda é aberta. Ela não aceita engessamento nas ritualísticas, muito menos na compreensão dos determinados conceitos.

Esses dias, eu li uma explicação muito interessante num artigo que falava justamente sobre a maneira de se encontrar o Orixá Regente. Porque dependendo da metodologia que você vai utilizar para encontrar o Orixá Regente, vai dar diferença, né? A numerologia vai falar uma coisa, o guia espiritual vai falar outra, o jogo de búzios vai trazer outro resultado e a astrologia vai dizer outra coisa totalmente diferente.

Daí, o artigo que eu li falava mais ou menos assim: cada casa de Umbanda tem a sua estrutura, o seu pilar. Se você faz parte de uma casa de Umbanda, o Orixá regente vai ser aquele que o seu dirigente espiritual disser, porque, indiretamente, a espiritualidade do seu terreiro vai trabalhar em cima daquela energia. Mesmo que o anúncio do seu dirigente seja diferente daquilo que você viu em outro lugar, cabe a você, como trabalhador daquela casa, aceitar aquela previsão como sendo a sua verdade (ou a verdade do seu agrupamento espiritual). Porque a casa que você faz parte, vai acabar direcionando determinados trabalhos e rituais em cima daquela energia.

E eu achei interessante esse artigo, porque ele fez até uma comparação. Eu me identifiquei muito com isso, porque eu também às vezes costumo fazer umas comparações nada a ver aqui no podcast para tentar explicar melhor alguns conceitos.

Imagina o seguinte: você quer ir da sua casa até um determinado endereço que você não sabe onde é… Daí, o que você faz? Você coloca no Waze ou no Google Maps para te indicar o caminho. Só que o aplicativo vai te dar várias opções de caminho. Você pode escolher se você quer ir de ônibus, se você quer ir de carro ou se você quer ir à pé. Em cada uma dessas situações, o aplicativo vai te dar um caminho diferente. Se você for de carro, é um trajeto, se você for de ônibus, o aplicativo vai indicar para você ir até um determinado ponto, pegar o ônibus tal, depois pegar o metrô tal… e se você for à pé, pode ser que o aplicativo indique para você um caminho mais seguro.

Perceba que nas três situações, você quer ir para o mesmo lugar. Daí eu pergunto para você: existe um caminho certo? Na verdade, o que existe é um caminho que atenda melhor às suas necessidades. Por exemplo, o melhor trajeto de ônibus talvez não seja o melhor caminho se você fosse de carro. Na hora de encontrar o Orixá Regente, talvez aconteça a mesma coisa. Todos os Orixás vão levar ao mesmo destino. O que eventualmente pode mudar é a sua necessidade.

Daí você chega para mim e fala assim: “Tá, Evandro, eu entendi. Existem diversos caminhos e diversas previsões de Orixás Regentes. Mas, então, em qual regência eu devo acreditar? Qual orientação eu devo seguir? Bom, se você faz parte de um terreiro, eu já falei, né? Vale a orientação do seu dirigente espiritual. Agora, se você não faz parte de terreiro nenhum, se você nem mesmo é umbandista, a interpretação que você pode fazer é a seguinte:

Imagina que você quer chegar naquele determinado endereço que você precisa ir e pede informação para alguém na rua: “Fulano, como é que eu faço para chegar na rua tal?” E daí a pessoa vai te explicar, né? “Ah, é fácil! É só você seguir em frente, virar a direita e depois a segunda à esquerda, que você já vai estar no seu destino”. Agora, imagina como seria confuso se você perguntasse a mesma orientação para várias pessoas diferentes! Cada uma ia te explicar da maneira que ela sabe chegar naquele lugar: “Ah, é só você voltar aqui por esse caminho, virar a direita, depois à direita de novo e seguir em frente”. Ou então: “Ah, é só você seguir reto, virar à esquerda, passou a ponte, você vira à esquerda de novo”. Você percebe como essas informações desencontradas, ao invés de ajudar, poderiam atrapalhar você chegar no destino que você quer? Imagina o transtorno que seria você ter que ficar mudando de rota toda hora! Melhor seria você escolher uma orientação e seguir aquela orientação até o fim.

É essa mesma linha de raciocínio que você precisa adotar quando for escolher um Orixá Regente. Você precisa focar naquela energia que você vai aceitar como verdadeira, você precisa vibrar naquela energia, você precisa se equilibrar naquela força. Agindo dessa maneira, você vai ver que vai fazer muito mais sentido a orientação que você receber e o Orixá que você escolher para amparar o seu novo ano.

Dito isso, vamos voltar aqui para a interpretação que eu melhor aceito, que é a astrológica. Ah, e lembrando que a Umbanda tem muito esse espírito agregador, né? Por isso que ela acabou absorvendo esses conceitos da Astrologia, da Numerologia e dos Búzios para identificar os Orixás Regentes. E pela astrologia, o planeta regente de 2022 vai ser Mercúrio. Daí fica fácil para o Umbandista identificar qual é o Orixá Regente daquele ano. Basta simplesmente aplicar a tabelinha do planeta que corresponde a determinado Orixá.

Então, por esse raciocínio astrológico, 2022 vai ter a influência muito grande de dois Orixás no nosso planeta: Ibeji e Oxumaré. Tem algumas pessoas que falam que vai ter a influência de Iemanjá também. E o que significa isso para nós Umbandistas? Bom, daí já vai uma interpretação minha, tá! Sintam-se à vontade para interpretar a energia dos Orixás de acordo com as características que vocês acreditam que eles tenham.

Na minha concepção, a energia de Ibeji traz muito a representação dos gêmeos que caminham juntos, né, às vezes até de uma maneira antagônica, representando a dualidade, a contradição. E isso tem muito a ver com esse ano que a gente passou, né, de muita perda, de muita tristeza. O Orixá Ibeji vem mostrar que existe um outro lado da moeda. Que por mais ruim que tenha sido a situação, a gente consegue extrair algo de bom, lições de vida que vão ajudar no nosso crescimento. O Poder de Ibeji traz muito essa coisa da necessidade de crescer, né? Ibeji nos oferece oportunidades de crescimento. E o Orixá Ibeji vai trazer muito avanço também na área científica, principalmente na área da medicina, porque Cosme e Damião trabalha muito com essa parte de conhecimento medicinal.

Eu penso que o ano de 2022 vai ser marcado por um grande recomeço espiritual. Esse recomeço se ampara, não apenas na energia de Ibeji, como também na energia de Oxumaré, o Orixá que é simbolizado pelo arco-íris e pela cobra que morde o próprio rabo, simbolizando um ciclo que se renova initerruptamente, cada vez mais colorido, cada vez mais perfeito. Oxumaré vem trazer o equilíbrio, dando continuidade na regência de Oxum, porque Oxumaré também está ligado, de uma certa forma, à manifestação do amor divino. Oxumaré é o responsável por reestruturar o amor.

Sabe aquele ditado? Depois da tempestade vem a bonança? É isso que Oxumaré vem trazer: a calmaria depois de um ano de tempestade. Eu penso que 2022 será o ano do recomeço para muita gente. Tudo aquilo que foi destruído em 2020 e 2021, terá uma nova oportunidade de recomeço. Tudo isso graças à energia de Oxumaré, que como eu disse anteriormente, é simbolizado pela cobra mordendo o seu rabo, ou seja, é aquele que reabre os ciclos da vida.

E essa irradiação vai trazer para muita gente a possibilidade de tirar da gaveta aquele projeto, de iniciar a mudança que foi planejada, de colocar em prática aquilo que foi idealizado, de renovar a vida. 2022 vai ser o ano para a gente iniciar a transição que nós queremos para a nossa vida, seja uma transição espiritual, seja uma transição material. Oxumaré também está muito ligado à prosperidade em todos os sentidos. E Oxumaré também é representado pelo arco-íris. Na África, o arco-íris representava a força de Oxumaré que faz estancar a chuva, ou seja, ele faz parar os dias difíceis para trazer a paz e a prosperidade.

Eu acredito que em 2022, pela regência de Oxumaré e Ibeji, as pessoas estarão muito melhor de saúde, com melhores condições financeiras, num ciclo de recomeço, numa transição que vai trazer muitos benefícios. Por esse motivo, 2022 tem tudo para ser um ano muito melhor do que foi o ano de 2021.

E eu queria terminar o ano aqui passando para vocês uma poesia que fala justamente sobre Oxumaré. Uma poesia que nos foi passada pelo plano espiritual e que, poeticamente, vem explicar um pouquinho da natureza desse Orixá. Espero que vocês gostem!

Vejo neste Mundo, os teus olhos,
numa energia resplandescente.
A força renovadora da vida,
que mantém o elo da corrente.

Movimento infinito e constante,
vibrante no corpo da serpente.
Amor que incendeia, incessante,
e faz bater o coração da gente.

Energia que desperta e encerra
o vermelho rubro da kundaline.
Faz o Céu se aproximar da Terra,
para que o amor se dissemine.

Senhor das cores e do arco-íris,
provoca a combinação perfeita.
Colore com a luz branca do Sol
as gotas que voam rarefeitas.

E a dança da serpente continua.
E a densa atmosfera se renova,
despindo as ilusões da alma nua,
oferecendo, aos seres-vivos, nova prova.

Senhor dos mistérios e das cores,
provoca alegria e bem-estar.
Expressa a união de dois amores,
fazendo o dom da vida prolongar.

Energia que tem duas vertentes
para alguns, a formosa Iabá.
Mas o que importa, aqui no presente
é ver a grandeza desse Orixá.

Essa força faz cadenciar o ritmo,
levando a todos na mesma direção,
convidando no momento propício,
para o despertar da própria evolução.

E Oxumaré é bem isso, né? A força renovadora da vida! O movimento infinito que é representado pelo corpo de uma serpente que morde o próprio rabo. O amor incessante intenso de Deus que traz a paixão, que faz a vida se tornar mais colorida! Oxumaré é o Poder Divino que nos leva todos na mesma direção, convidando todos nós para o despertar da nossa própria evolução.

Eu quero deixar aqui, mais uma vez, o meu sentimento de gratidão a todos vocês que prestigiaram o Podcast Alma de Poeta neste ano que passou. Para mim foi um ano de muito desafio, por ter iniciado esse projeto para difundir um pouco mais a religião da Umbanda, bem como falar sobre assuntos que envolvem mediunidade e espiritualidade.

Talvez eu não tenha conseguido atingir a expectativa de algumas pessoas, por causa das minhas limitações como ser humano, mas eu garanto para vocês que eu fiz o meu melhor. Cada episódio que eu gravei foi com muito amor, com muito carinho por vocês e por essa espiritualidade maravilhosa que nos acompanha.

Muito obrigado a todos que entraram em contato comigo, deixando mensagens de incentivo, de carinho. Eu fiquei muito feliz com a participação de vocês. E eu espero que em 2022 a gente possa estreitar ainda mais esses laços que estão sendo construídos através do Podcast.

E eu quero terminar esse episódio aqui tocando um ponto em homenagem a esse Orixá que vai reger o ano de 2022. Salve o nosso Pai Oxumaré! Arroboboi, meu pai! Um grande abraço para vocês e feliz ano novo a todos, com muita prosperidade, muita paz e muito amor!

Deixe seu comentário

6 comentários

Mais deste assunto

Episódio 82
Nenhum número escolhido ainda