O Desenvolvimento da Mediunidade e a Tela Búdica

Ouvir episódio

Você já tem a mediunidade aflorada ou ainda busca os primeiros contatos com o plano espiritual? Saiba que existem cuidados no desenvolvimento mediúnico que precisam ser observados para cada situação.

Transcrição do Episódio

E aí, pessoal! Tudo bem com vocês? Chegamos ao vigésimo episódio do nosso podcast alma de poeta. O que que vocês estão achando do conteúdo até agora? Dá para a melhorar? Sempre dá para a melhorar, né gente! Mas olha, se tiver pelo menos alguma coisinha aqui que seja de utilidade para a vocês, eu já me dou por realizado. Se o conteúdo que eu abordo aqui sirva, pelo menos para a trazer algum tipo de reflexão, eu já fico feliz, mesmo que vocês não concordem com o meu ponto de vista, mesmo que vocês não concordem com nada do que eu estou dizendo. A ideia aqui é que nós possamos evoluir juntos. A ideia é trazer uma troca de experiências. Meu nome é Evandro Tanaka, eu sou médium umbandista e este é o podcast “Alma de Poeta”, uma singela homenagem ao meu guia espiritual, o querido Pai Antônio.

Sabe o assunto que eu queria conversar com vocês hoje? Eu queria falar desenvolvimento mediúnico! Porque eu vejo que as pessoas têm muita dúvida sobre isso. Muita gente me questiona sobre o processo que se dá o desenvolvimento mediúnico, sobre o tipo de exercício que é bom para a abrir a mediunidade, como saber se eles estão fazendo da maneira certa… Bom, a gente tem que separar aqui dois tipos de situação, ou melhor, separar dois grupos de pessoas. O primeiro grupo são aqueles que já tem uma mediunidade aflorada. E o segundo grupo são as pessoas que ainda não tem nenhuma percepção do mundo espiritual (ou pelo menos acham que não tem). Identificar as pessoas que já tem a mediunidade aflorada é fácil. Geralmente essas pessoas, quando se apresentam no terreiro ou no centro espírita, elas vão em busca de tratamento, pelo fato delas estarem de alguma maneira desequilibradas. para a essas pessoas, eu penso que a abordagem que a gente tem que dar no curso do desenvolvimento mediúnico, precisa ser diferente da abordagem que a gente vai dar para as pessoas que ainda não tem uma percepção do plano espiritual.

Porque no grupo de pessoas que já tem uma mediunidade mais ou menos aberta, digamos assim, o cuidado que o dirigente espiritual tem que ter, primeiramente, é com relação ao autocontrole dessa pessoa. O dirigente espiritual, o pai de santo, o sacerdote precisa primeiro ensinar a essa pessoa o processo de autocontrole. A capacidade que a pessoa tem de identificar aquele fenômeno mediúnico e não se deixar envolver por ele. Porque gente, eu já me deparei com situações deploráveis de obsessão. Casos em que havia uma ligação simbiótica tão forte entre o médium e o espírito desencarnado, que a pessoa ficava totalmente alienada do que estava se passando ao seu redor, e ela não conseguia controlar isso. Incorporava em qualquer lugar, a qualquer hora. O espírito desencarnado tinha total liberdade para a agir sobre essa pessoa. Por quê? Porque a pessoa tinha uma mediunidade já escancarada, mas não sabia controlar. Deixava a porta aberta para a entidade se manifestar sempre que desejasse ou achasse conveniente. E o dirigente que vai conduzir o processo de desenvolvimento mediúnico, precisa ter muito cuidado, porque senão, dependendo da situação, ele vai intensificar ainda mais algo que já está desequilibrado. Vocês entendem? para a essas pessoas, o primeiro passo tem que ser o reequilíbrio interno.
Agora, para as pessoas que não tem uma mediunidade aflorada, a abordagem já é outra. O processo de desenvolvimento mediúnico é outro. Porque essas pessoas não vão estar mediunicamente desequilibradas.

Tem gente que não sente nada. Tem gente que é uma pedra quando se fala de sensibilidade mediúnica. E muitas vezes essas pessoas querem desenvolver essa habilidade, até para a se conhecerem melhor… Evandro, todo mundo consegue desenvolver a mediunidade? Sim! Todo mundo! A mediunidade é uma aptidão natural do ser humano. O que acontece é o seguinte: tem gente que já nasce com a mediunidade aflorada. É o caso aí de Chico Xavier, Zé Arigó, Peixotinho, o Pai Zélio Fernandino… Esses já nasceram com a mediunidade aberta. Tem pessoas em que a mediunidade eclode naturalmente, no decorrer da vida. A partir de uma determinada idade, por exemplo, a pessoa começa a perceber o plano espiritual. E isso acontece sem que ela busque nenhum curso de desenvolvimento mediúnico. Muitas vezes são pessoas que nem sabem o que significa mediunidade. Eu tinha uma tia, a irmã do meu pai, que depois de uma determinada idade, acho que por volta dos sessenta anos, ela começou a enxergar espíritos dentro de casa. E ela confidenciava para a mim isso. Principalmente à noite, na hora de ir dormir ela via espíritos transitando pelo ambiente. E assim, sem fazer curso nenhum… ela nunca se interessou em desenvolver a mediunidade. Mas no caso dela, foi bem tranquilo, porque ela já tinha muito conhecimento sobre o mundo espiritual. Ela lia muito, estudava muito e era uma pessoa bastante espiritualizada. Então, no caso dela, a mediunidade aflorou naturalmente. E tem as pessoas que desenvolvem a mediunidade através de exercícios. Todo mundo consegue desenvolver a mediunidade por exercícios? Sim! Todo mundo! Basta querer… Como diz o Raul Seixas “basta um desejar profundo”. Lógico que esse querer tem que vir acompanhado de muita disciplina e perseverança.

Gente, eu não vou associar aqui o uso de drogas, o uso de álcool, o uso de chás alucinógenos como desenvolvimento mediúnico, tá? Essas substâncias abrem o canal mediúnico? Pode ser que abra, mas nesse caso, eu não considero um desenvolvimento mediúnico. Eu considero um “estupro mediúnico”. Porque a pessoa vai abrir os canais da mediunidade sem estar preparada. Vai abrir a mediunidade de uma maneira errada, e isso vai deixá-la totalmente desequilibrada. Pessoas adoecem, pessoas morrem, pessoas enlouquecem por causa disso. Tomem muito cuidado com essas supostas facilidades que são oferecidas para a você despertar sua mediunidade.

Deixa-me contar para a vocês o que que acontece quando vocês usam determinadas substâncias no organismo. Eu não sei se vocês sabem, existe uma membrana entre o nosso corpo físico e corpo astral. Essa membrana é conhecida como tela búdida ou tela etérica e tem uma natureza semimaterial. E para a quê que serve essa tela etérica? Ela funciona como um filtro entre o corpo físico e o nosso corpo astral (os kardecistas chamam o corpo astral de perispírito). Então, a tela búdica impede a percepção consciente do mundo espiritual. Se você tem a tela búdica intacta, você não vai perceber nada do plano espiritual. O objetivo da tela búdica é isolar o encarnado para que ele não sofra os malefícios de estar em contato constante com energias e vibrações que podem ser maléficas, vindas do plano espiritual.

Todo mundo tem essa tela etérica. Só que em algumas pessoas essa tela apresenta buracos por onde passam percepções do mundo espiritual para a mente consciente. E as pessoas que têm essa tela corrompida, a gente chama de médium, porque eles vão ter uma percepção mais intensa do mundo espiritual, justamente pelo fato de que a sua tela búdica está rasgada. E por que que eu comecei a falar da tela búdica? Porque quando você usa substâncias entorpecentes, álcool, cigarro, determinados tipos de chá. Essas substâncias acabam deteriorando, com o tempo, a nossa tela búdica. Se antes a sua tela estava intacta, ela começa a ficar corrompida em determinadas áreas. E isso é bom ou é ruim? Claro que é ruim! Não queiram se abrir para o mundo espiritual sem ter o devido preparo para a isso, sem ter a devida orientação.

Eu costumo dizer o seguinte: quer desenvolver a sua mediunidade, beleza, mas procura um lugar sério para a isso, procura uma orientação adequada. Porque senão vocês vão sofrer sem necessidade. Procurem uma casa bem-conceituada, procurem pessoas de confiança, procurem uma casa que faça a caridade, que façam o bem.

E como a gente está falando de tela búdica, vocês poderiam me perguntar o seguinte: é só a ingestão dessas substâncias viciantes que causa o rompimento da tela búdica? E a resposta é não! Muitas vezes a tela etérica é rompida pelo acúmulo de atitudes negativas ou pensamentos negativos da pessoa. Mas nesse caso, gente, é um acúmulo muito grande mesmo. São décadas e décadas de pensamento ruins para a isso acontecer. É o caso, por exemplo, de você cultivar por períodos prolongados sentimentos de raiva, ódio, mágoa, vingança. Isso vai fazer também com que a sua tela búdica se desgaste, a tal ponto de surgirem buracos nela.

Agora uma pergunta interessante: E no caso dos exercícios de desenvolvimento mediúnico? Será que dessa maneira, eu também vou estar, de alguma maneira, desgastando a minha tela etérica, provocando voluntariamente o seu rompimento? Não é uma excelente pergunta essa? Claro que é! Porque fui eu que fiz essa pergunta para o Baiano Tibério uma vez. Viu como eu sou presunçoso? Deve ser por isso que eu tenho a minha tela búdica toda arregaçada!

Aliás, gente, quase todo mundo que nasce com mediunidade, já nasce com a sua tela búdica comprometida. E por quê? Por desmandos em vidas passadas. São pessoas que abusaram, de alguma maneira, da liberdade que possuíam, com atitudes que provocaram rompimentos na sua tela búdica que não foram costurados com o seu desencarne. Com isso, ela foi obrigada a voltar em outra vida, com a tela etérica toda ferrada, para poder costurar ela com novas atitudes. E os médiuns umbandistas nasceram com a tela búdica arrebentada justamente por terem mexido inadvertidamente com magias em vidas anteriores.

Bom, mas vamos lá, voltando para a pergunta que eu fiz para o Tibério: Lembra que eu comentei com vocês, em algum episódio anterior aí, eu não me lembro qual, que a gente também consegue desenvolver a mediunidade pelo nosso aprimoramento pessoal, pela nossa evolução moral? Então, o Tibério me disse uma vez o seguinte: a partir do momento em que você está mais preparado para a entender as coisas, a partir do momento em que você vai amadurecendo espiritualmente, essa tela etérica vai naturalmente se tornando cada vez mais fina, mas sem rasgar, sem se romper. Vai chegar um momento nosso, em vidas futuras, que a nossa evolução espiritual vai ser tanta que a tela etérica vai ser praticamente invisível, dando a nós a liberdade de compreender, de enxergar melhor o plano espiritual. É isso o que acontece com as humanidades mais evoluídas de outros planetas. Nesses mundos aperfeiçoados, as pessoas encarnadas de lá tem um contato muito natural com o plano espiritual, diferente do que acontece aqui na Terra.

Então, gente, resumindo: a mediunidade está intimamente relacionada com a tela búdica. E a mediunidade pode acontecer por duas razões: Ou a sua tela búdica foi rompida, foi rasgada. Daí você vai ter uma percepção mediúnica inicialmente desequilibrada por não estar preparado para aquilo. Ou então a sua tela búdica vai se tornando cada vez mais fina. Nesse caso, a sua percepção mediúnica vai ser gradual, de acordo com o seu desenvolvimento. E você consegue, assim, entre aspas, “afinar” a sua tela búdica por meio de exercícios e reforma íntima, ou seja, por meio da sua evolução espiritual. Daí vai entrar aquilo que eu falei no episódio 18. Lembra? Quando eu falei que para o desenvolvimento da mediunidade, é essencial que você cuide do corpo, da mente e do espírito?

Então, gente, quando as pessoas me falam que querem ou que precisam desenvolver a mediunidade. A minha primeira pergunta é a seguinte: como que você quer desenvolver essa mediunidade? Do jeito fácil ou do jeito difícil? Deus dá o livre arbítrio para a pessoa se desenvolver do jeito que ela achar melhor. Quer rasgar a sua tela búdica? Ok. Vai em frente! Mas saiba que o seu caminho vai ser de sofrimento. Experiência própria! Agora, quer afinar a sua tela búdica? então, eu me curvo diante da tua sabedoria. Saiba que você vai ganhar em todos os sentidos! Mas desenvolver a mediunidade do jeito certo envolve muito esforço pessoal, muito trabalho, muita disciplina e muita perseverança. Só que não no final vocês vão perceber que o custo-benefício disso é muito vantajoso! Você vai fortalecer as suas boas amizades com espíritos iluminados, ao mesmo tempo em que ilumina o seu próprio espírito.

Bom, espero que vocês tenham gostado desse episódio, é um assunto complexo, que envolve muito estudo e reflexão. Não sei se eu fui muito claro nas explicações, mas eu me coloco à disposição para a tentar explicar qualquer ponto que não tenha ficado muito claro. está bom, gente? Me escrevam, caso vocês tenham ficado com dúvidas. E obrigado por ouvirem mais esse áudio. Lembrando que vocês podem acompanhar nosso podcast pelo Spotify, pelo Deezer, Amazon Music, Google Podcast, Apple Podcast, Anchor Fm, youtube e pelo nosso site alma de poeta. Um grande abraço a todos e que o nosso Pai Maior os fortaleça nessa caminhada evolutiva.

Deixe seu comentário

2 comentários

Mais deste assunto

Episódio 20
Nenhum número escolhido ainda