A Bíblia Proíbe a Comunicação com os Mortos?

Ouvir episódio

Será que a Bíblia proíbe as comunicações mediúnicas? Você já leu o versículo 31 do capítulo 19 do Livro Levítico? Neste capítulo nós vamos falar um pouco sobre a interpretação que a Umbanda e o espiritismo dá sobre as comunicações com o mundo espiritual.

Transcrição do Episódio

Olá, meus irmãos e minhas irmãs de fé! Companheiros de caminhada na Umbanda! Tudo bem com vocês? Eu estou gravando esse episódio aqui batendo os dentes de frio! Noites geladas aqui em SP. O inverno chegou com força! Sejam bem-vindos ao podcast Alma de Poeta. Esse é o quadragésimo episódio da nossa série. Meu nome é Evandro Tanaka, eu sou médium umbandista e aqui a gente conversa sobre Espiritualidade, sobre Umbanda e também sobre Mediunidade. E de vez em quando eu coloco umas poesias passadas pelo meu querido guia espiritual. Um preto velho que se apresenta com o nome de Pai Antônio.

Hoje eu queria começar esse episódio aqui falando sobre um assunto bem interessante. A ideia de falar sobre esse assunto partiu de uma dúvida enviada pela Taylise. Ela entrou em contato comigo pelo site “Alma de Poeta” pedindo uma orientação sobre um versículo da bíblia.

A Taylise contou para mim que ela começou na Umbanda há pouco tempo e ela vem de uma família evangélica. Ela me disse que algumas pessoas da sua família já estão aceitando a ideia de ela frequentar a Umbanda, mas outras pessoas ainda tem uma resistência muito grande. A Taylise mesmo conta que, pelo fato dela ter crescido em uma religião pentecostal, na igreja evangélica, ela diz que ainda tem muitos paradigmas dentro dela que “precisam ser quebrados”. Mas apesar desses dilemas que ela carrega dentro de si, a Taylise fala que ama muito a Umbanda e tudo o que está aprendendo na nossa religião.

O questionamento que ela me trouxe foi o seguinte: em uma das conversas que a Taylise teve com a mãe, que também é evangélica, foi abordado um versículo da bíblia que deixou ela bastante pensativa. E ela começou a refletir sobre as coisas que acontecem dentro da Umbanda, sobre a manifestação dos nossos guias, sobre a incorporação, sobre a mediunidade. Ela começou a enfrentar o dilema se é certo ou errado a comunicação com o plano espiritual, justamente por causa de um versículo da Bíblia. A parte da Bíblia que a Taylise me mostrou está em Levíticos, capítulo 19, versículo 31. Basicamente, segundo a interpretação que ela me passou, esse versículo proíbe de consultar os mortos e os feiticeiros. E é sobre isso que eu quero falar com vocês hoje.

Antes de mais nada, eu queria agradecer a Taylise, minha irmã de fé! Por ouvir o nosso podcast, por entrar em contato com a gente. Taylise, eu fico muito feliz de saber que o Alma de Poeta está contribuindo um pouco nessa sua caminhada pela Umbanda. Com o tempo, você vai perceber que a nossa religião é muito rica e cheia de fundamentos. Tudo tem uma explicação na Umbanda, o motivo por que a gente faz determinados rituais, o motivo pelo qual a gente usa a roupa branca, o motivo pelo qual a gente acende velas, faz oferendas, toma banho de ervas, o motivo pelo qual a gente faz preceitos.

Como diz um ponto cantado, a Umbanda tem fundamento e é preciso respeitar. E a comunicação com o mundo espiritual faz parte dos fundamentos da Umbanda. A comunicação tem um objetivo, tem um por que. E vocês sabem qual é o objetivo da manifestação da espiritualidade na Umbanda? É despertar a nossa consciência de que a vida continua após a morte do corpo físico. É dar a certeza de que o nosso espírito é eterno. De que existe algo do lado de lá que os nossos sentidos não conseguem captar. Mas muito mais do que isso, a comunicação com entidades, sejam elas de luz ou sejam elas espíritos sofredores, vem nos trazer ensinamentos, lições que se nós assimilarmos corretamente, iremos acelerar muito a nossa evolução espiritual. Quantas e quantas pessoas eu já conheci, que graças à Umbanda, hoje tem a certeza de que a vida continua do lado de lá, depois que nós deixarmos definitivamente o nosso corpo físico. A Umbanda faz despertar essa consciência.

E olha, gente, justamente porque a Umbanda tem fundamento, todo dirigente que se preze, todo pai de santo, tem que saber explicar as coisas que ele faz no seu terreiro. Porque tudo tem uma explicação, tudo tem uma lógica, tudo tem um motivo. Questionem sempre o porquê das coisas. Não tenham medo de indagar, de levantar dúvidas. Só assim vocês vão crescer espiritualmente.

Bom, esse questionamento que a Taylise me fez, eu acho que até já respondi para ela na mensagem, é uma indagação muito inteligente! Aliás, gente, esse é um ponto que eu admiro nos Evangélicos, sabe? Eles conhecem a Bíblia como ninguém! Principalmente o velho testamento, né? E olha que eu acho muito difícil, pelo menos para mim, interpretar as palavras do velho testamento. Porque muita coisa tem um sentido figurado, além de que a gente está falando de outra época, de outra cultura, de outros costumes, né?

Mas vamos voltar aqui para o centro da discussão, que é o capítulo 19:31 do livro Levítico. Eu tive o cuidado de abrir a Bíblia que eu tenho aqui em casa para ler exatamente o que dizia esse versículo. E eu achei estranho, em um primeiro momento, que o que está escrito na minha Bíblia está diferente do que a Taylise me falou. Daí, eu resolvi pesquisar na internet outras versões de outras bíblias para tentar confirmar o que eu estava lendo. E sabe o que eu descobri? Dependendo da versão da bíblia, esse versículo está escrito de uma maneira diferente.

Eu vou até ler aqui para vocês o que está escrito na Bíblia que eu tenho aqui em casa. Ela fala assim: Não vos virareis para os adivinhadores e encantadores; não os busqueis, contaminando-vos com eles. Eu sou o SENHOR, vosso Deus.

Daí, para confirmar o que estava escrito, eu procurei outra bíblia, uma versão diferente. E essa Bíblia que eu encontrei, fala mais ou menos o que a sua mãe da Taylise argumentou. Essa outra versão fala assim: Não vos voltareis para os que consultam os mortos nem para os feiticeiros; não os busqueis para não ficardes contaminados por eles. Eu sou o Senhor vosso Deus.

E daí, para tirar a prova dos nove, eu procurei uma terceira versão. E eu até comentei com a Taylise que eu achei muito engraçada essa versão: porque ela substituiu a palavra feiticeiro pela palavra médium. Como se fosse sinônimo uma coisa da outra, né? Não tem nada a ver. Nessa outra versão, o mesmo versículo fala assim: “Não recorram aos médiuns nem bus­quem a quem consulta espíritos, pois vocês serão contamina­dos por eles. Eu sou o Senhor, o Deus de vo­cês.

Vocês percebem a diferença que existe de uma bíblia para outra? Qual será que está certa? Qual é a mais fidedigna?

Nessa última versão, eu achei engraçado porque ela fala assim: não recorram aos médiuns nem busquem a quem consulta espíritos. Ora gente, para quem já estudou um pouquinho de espiritismo, sabe que a palavra médium só surgiu a partir do ano 1.857, com Allan Kardec. Foi ele que cunhou essa expressão “médium” para se referir àquelas pessoas que servem de intermediárias entre os dois planos da vida: o mundo material e o mundo espiritual. Só que o livro do Levítico foi escrito quase 2.000 anos antes. Vocês concordam comigo que naquela época não existia a palavra médium. Como é que pode constar no versículo uma palavra que a humanidade ainda nem sabia o que significava? Será que Deus mandaria escrever uma palavra que ninguém entende o sentido?

O que eu quero dizer para vocês é o seguinte: A Bíblia, por mais que alguns evangélicos e católicos achem que ela foi escrita por Deus, na verdade, ela foi escrita pelos homens, né? Pode até ser que esses homens tenham recebido uma inspiração do plano espiritual ou uma inspiração divina para escrever a bíblia. Mas se a gente for analisar a Bíblia de uma maneira racional, a gente vai ver que ela demorou quase 2.000 anos para ser escrita. É bastante tempo, né gente? para vocês terem uma ideia, algumas tradições religiosas falam que a Bíblia começou a ser escrita por volta do ano 1.500 anos antes de Cristo e só terminou de ser escrita 450 anos depois que Jesus passou aqui pela Terra. E os estudiosos falam que pelo menos 40 autores diferentes participaram da criação do livro sagrado.

Então, gente, percebam que a Bíblia foi escrita em épocas diferentes, por pessoas diferentes, em culturas diferentes, quando a humanidade estava em estágios evolutivos diferentes. E além dessa colcha de retalhos que se formou, né, porque a Bíblia nada mais é do que a compilação de textos de diversos autores, ainda por cima, ela teve muitas traduções, uma tradução em cima da outra.

Se a gente tomar como exemplo o novo testamento, vocês vão ver que ele foi traduzido originariamente do aramaico para o grego. Porque o aramaico era o idioma falado por Jesus naquela época. Depois, a Bíblia foi traduzida do grego para o latim, e só depois ela foi traduzida do latim para as línguas que a gente conhece hoje. Italiano, Inglês, Português, Espanhol… E você já parou para pensar no tanto de significado das palavras que podem ter sido corrompidas ou alteradas, em algum momento, de uma tradução para outra? As pessoas que trabalham com tradução sabem muito bem o risco que se corre ao traduzir um texto de um idioma para outro. Sem contar no interesse que as pessoas podem ter tido, em determinada época, para moldar os ensinamentos da bíblia de acordo com os seus interesses ou de acordo com a sua própria visão, né? Pode ter acontecido também. Nós somos seres humanos, nós somos falhos.

É o caso que aconteceu, por exemplo, com a ideia da reencarnação. De uma hora para outra a igreja passou a não aceitar mais a reencarnação com base na interpretação de determinadas versões bíblicas. Eu até já comentei esse negócio da reencarnação lá atrás, nos primeiros episódios. Quem está acompanhando os nossos episódios deve lembrar desse assunto, quando eu falei da Teodora e do Justiniano. Vocês lembram?

Olha gente, por que que vocês acham que tem tantos Evangelhos apócrifos? Evangelhos que foram descobertos, mas que não são reconhecidos pela Igreja? A gente tem aí o evangelho de Tiago, de Felipe, de Maria Madalena, o evangelho de judas. E se a gente parar para ler esses evangelhos, a gente vai ver que tem mensagens maravilhosas também. Mas talvez o Evangelho oficial, aceito pela igreja, já tenha recebido tantas alterações que ele acaba destoando desses outros evangelhos. Não sei, isso é uma interpretação minha.

Mas vamos lá, voltando aqui para resposta que eu dei para Taylise. Vamos supor que realmente a Bíblia proíba a comunicação com os mortos. Nesse caso, em alguns momentos, a bíblia entraria em contradição com ela mesma! Porque a Bíblia nos conta que o próprio Jesus teria tido um encontro com o espírito de Moisés e de Elias. Essa é uma passagem famosa da vida de Jesus conhecida como transfiguração, quando Moisés e Elias aparecem para Jesus e conversam com ele. Bom, vocês sabem que tanto Moisés quanto Elias foram dois grandes profetas do velho testamento, né? Só que eles passaram dessa para melhor também, né? Eles passaram pela terra e morreram! Então, Jesus estaria se comunicando com o espírito de dois mortos. Vocês concordam comigo?

Como pode, uma hora a bíblia proíbe a comunicação com os mortos e em outra parte ela diz que o próprio jesus se comunicou com espíritos desencarnados? Não é contraditório? Daí algumas pessoas podem dizer: “ah, mas eu sigo o velho testamento” e lá diz que não pode. Gente, quanta coisa que o velho testamento falava que jesus fazia? Por exemplo, o velho testamento fala que não se pode trabalhar no sábado, porque é o dia que Deus tirou para descansar, então nós deveríamos consagrar esse dia a Deus. Só que Jesus não estava nem aí, ele ignorava esse mandamento. Ele continuava pregando, fazendo milagres, curando, independentemente de ser ou não sábado. E esse foi um dos motivos que ele passou a ser odiado pelos fariseus. Mais um pretexto para os fariseus quererem condená-lo à morte.

Então, se você aceitar incondicionalmente o que o velho testamento fala, em muitos aspectos você vai estar em desacordo com os ensinamentos de Jesus. E eu duvido que os Evangélicos, os Católicos ou quem quer que se considere cristão, vai ignorar os mandamentos desse espírito de luz deixou aqui na terra, seja por meio de palavras, seja por meio de atitudes. Dê o nome que você queira dar a ele: Jesus, Yeshua, Sananda, Oxalá… Nós estamos falando do mesmo ser espiritual.

E perceba, Taylise, que Jesus, em toda a sua vida aqui na Terra, ele nunca proibiu a comunicação com os mortos. Jesus nunca falou isso. “Eu te proíbo de conversar ou receber comunicações do mundo espiritual”. Isso só tá escrito no velho testamento.

O que eu quero que vocês entendam é que a mentalidade da humanidade que vivia naquela época, há mil e quinhentos anos antes de Jesus, era muito diferente da mentalidade que nós temos hoje. Porque, se vocês fizerem uma comparação hoje em dia, por exemplo, até de uma geração para outra já muda a maneira de pensar das pessoas, né? A geração anterior à nossa tinha uma visão de mundo totalmente diferente de hoje. Da mesma maneira, a geração dos nossos netos vai ter uma visão completamente diferente da nossa. E a gente não está falando de séculos, não! A gente está falando de décadas. Quem dirá uma diferença de três mil anos! Imaginem o pensamento das pessoas que viviam naquela época! O mundo de 3.000 anos atrás era muito diferente do mundo de hoje.

E naquela época, realmente as pessoas usavam a comunicação com os mortos para tirar algum tipo de proveito. Como acontece até hoje em alguns rituais não-religiosos. Na época de Moisés, na época dos profetas do velho testamento, as pessoas queriam falar com espíritos para prever o futuro, para saber o que iria acontecer se fizessem determinadas escolhas, elas tentavam usar informações do mundo espiritual para tirar algum tipo de vantagem. E muitas vezes, elas invocavam os mortos para tentar prejudicar outras pessoas. Qualquer semelhança com o que algumas pessoas fazem hoje não é mera coincidência.

Às vezes elas invocavam o espírito dos mortos apenas para matar uma curiosidade. E lógico que nesses casos, pelo conhecimento que a gente tem hoje sobre espiritualidade, sobre mediunidade, a gente sabe que quando o nosso desejo é mesquinho, quando o nosso desejo é egoísta, a gente não vai atrair a simpatia dos bons espíritos. A gente só vai conversar com espírito tranqueira, que tem os mesmos interesses nossos. Coloquem uma coisa na cabeça: espíritos evoluídos não perdem o seu tempo para satisfazer a curiosidade de ninguém. Eles têm mais o que fazer do lado de lá. Eles têm grandes responsabilidades perante o Universo. Vocês acham mesmo que espíritos evoluídos vão se sujeitar a satisfazer nossos caprichos e vaidades?

Só que o povo daquela época não pensava assim. Eles não tinham essa consciência que nós temos hoje. Talvez por isso, pelos excessos cometidos, em algum momento, alguém lá daquela época, vendo esse fanatismo das pessoas em invocar o espírito dos mortos, resolveu proibir a comunicação com o mundo espiritual e botar na conta de Deus. Porque naquela época foi necessária essa atitude. para poder controlar o ímpeto das pessoas. Porque as pessoas daquela época eram tão limitadas moralmente que elas só levariam em consideração algum mandamento se alguém falasse para elas que aquilo era uma ordem de Deus.

Só que se a gente for levar por esse entendimento, que a proibição de se comunicar com os mortos se deu pelo abuso que as pessoas faziam, a gente vai chegar na conclusão de que a Umbanda também fala a mesma coisa. Tanto a Umbanda quanto o Kardecismo condenam que você fique invocando os espíritos para tentar saber o seu futuro, para tentar tirar vantagem de alguma situação, para tentar prejudicar outras pessoas. Tudo isso é condenado pela Umbanda também. Quando o caboclo das 7 encruzilhadas se manifestou aqui na terra, ele disse que Umbanda é a manifestação do espírito para a caridade. Então, o único propósito com que a gente invoca os nossos irmãos desencarnados, espíritos de luz que são muito mais evoluídos do que nós, é para ajudar as pessoas, é para fazer a caridade, é para levar o Amor de Deus aos corações daqueles que nos procuram. A comunicação com o mundo espiritual tem como único propósito levar conforto, carinho e afeto para as pessoas. Essa é a missão da Umbanda, esse é objetivo.

Taylise, eu não falei para você que esse assunto ia dar praticamente um episódio inteiro? Quando eu comecei a responder sua mensagem eu fiquei pensando, nossa, mas quanto assunto interessante tem nessa pergunta! E está aí! Essa é a minha opinião sobre o versículo da Bíblia que você me indicou. Mas assim, se você não é umbandista, nem espírita kardecista e a sua crença religiosa não admite a comunicação com espíritos desencarnados, respeite os dogmas da sua religião!

E eu falo para os Umbandistas aqui: não entrem em confronto com discussões estéreis! Mais vale focar o nosso tempo em algo produtivo do que tentar ficar convencendo as pessoas do nosso ponto de vista! Quando me perguntam, eu dou minha opinião. Mas se não me perguntam nada, eu me calo. Porque a gente não pode ter a pretensão de ser dono da verdade. O único dono da verdade absoluta é Deus. O que nós temos são apenas fragmentos de verdade condizentes com a nossa evolução espiritual. Eu carrego um pedacinho da verdade, você carrega outro pedacinho. E tudo isso faz parte de uma verdade maior que nós ainda não conseguimos compreender.

Espero que vocês tenham gostado do episódio. Obrigado, Taylise por enviar a sua dúvida, por contribuir com o nosso podcast. E se vocês ainda não ouviram os episódios anteriores, procurem lá no Spotify, no Deezer, no Amazon Music, no Google Podcast, Apple podcast que vocês vão encontrar o Alma de Poeta. Um grande abraço para vocês, fiquem com Deus e até o nosso próximo encontro!

Deixe seu comentário

Mais deste assunto

Episódio 40
Nenhum número escolhido ainda