Falando sobre Tranca-Ruas

Ouvir episódio

Os Tranca-Ruas formam uma falange muito numerosa! Existem espíritos que se apresentam como Tranca-Ruas que trabalham nas escruzilhadas, que trabalham nos cruzeiros, que trabalham na calunga pequena. Essa é uma pequena homenagem que eu faço para essa linha de trabalho maravilhosa!

Transcrição do Episódio

Olá, povo da Umbanda! Meus irmãos e minhas irmãs de fé! Sejam bem vindos a mais um episódio do Podcast Alma de Poeta. Agora que eu já falei tudo (ou quase tudo o que eu queria falar) sobre mediunidade, a gente toca o barco para falar sobre outros assuntos interessantes sobre Umbanda e espiritualidade. No episódio de hoje, a gente vai falar sobre uma das falanges mais populares que existe na Umbanda: que é a falange dos Exús Tranca-Ruas. A gente poderia dizer que o Exú Tranca-Rua é um verdadeiro Pop-Star das giras de esquerda, né, de tão famoso que ele se tornou no meio umbandista. Hoje a gente vai conversar um pouquinho sobre essa falange de espíritos que se manifestam nessa linha de trabalho. Meu nome é Evandro Tanaka, eu sou médium umbandista e nesse Podcast a gente fala sobre Umbanda, Espiritualidade, Mediunidade e também sobre as poesias do Pai Antônio.

Bom, tem gente que chama de Tranca-Rua, tem gente que chama de Tranca-Ruas, no plural. Independente da maneira como você pronuncie, a falange vai ser a mesma, ok? Não existe diferença de você falar no plural ou no singular. Você pode invocar essa linha de trabalho da maneira que você preferir. Eu estou acostumado a falar Tranca-Ruas.

E os Tranca-Ruas formam uma falange muito numerosa! Existem espíritos que se apresentam como Tranca-Ruas que trabalham nas escruzilhadas, que trabalham nos cruzeiros, na calunga pequena. E dependendo do local de trabalho onde esses espíritos atuam, eles acabam recebendo nomes diferentes. Você vai ver que existe o Tranca-Rua das Sete Encruzilhadas, o Tranca-Rua das Almas, o Tranca-Rua de Embaré, dentre outros por aí…

Mas assim, independente do local onde os Tranca-Ruas trabalham, a força que irradia deles está sempre ligada ao Orixá Ogum. É a força de Ogum que sustenta essa falange espiritual. Mesmo se for um Tranca-Rua das Almas. Porque, apesar do campo vibratório do Tranca-Rua das Almas ser a calunga pequena, mesmo assim, ele vai irradiar o poder de Ogum. Então, o que eu quero que vocês entendam é que o Orixá que sustenta o trabalho dessa falange vai ser sempre Ogum.

Tem até um ponto muito famoso de Tranca-Ruas que fala assim: O sino da igrejinha faz belém blem bom. O sino da igrejinha faz belém blem bom. Deu meia noite, o galo já cantou, seu Tranca-Ruas que é o dono da gira. Oi corre gira que Ogum mandou.

Então, o Orixá Ogum é que sustenta a falange de Tranca-Ruas. Não é à toa que os Tranca-Ruas são conhecidos por abrir e fechar caminhos. Porque essa é a característica de Ogum. Se você está com os teus caminhos fechados, se você está com a tua vida empacada, pede para Tranca-Ruas e você vai ver o que vai acontecer. Porque Tranca-Ruas trabalha nos caminhos, trabalha no teu destino. Um Exú Tranca-Ruas vai ajudar você a seguir firme na tua caminhada, ele vai te dar o ímpeto necessário para você conseguir o que você quer.

E, por outro lado, se você está correndo algum perigo, se você está muito vulnerável na tua vida, É Tranca-Ruas quem vai fechar o teu caminho. Ele que vai desviar da tua trajetória as pessoas ou as situações que possam te fazer mal. Por isso que o nome dele é esse: Tranca-Ruas. Porque, se ele quiser, ele tranca tudo! Não vai passar um fio de cabelo sem a permissão dessa Entidade.

E esses espíritos, os Tranca-Ruas, eles tem um ponto em comum: Eles gostam muito de trabalhar onde existe um fluxo muito grande de pessoas. Os Tranca-Ruas, eles dão preferência para aglomerados urbanos. E por isso, eles trabalham nas cidades, principalmente nas ruas, nas avenidas, nos cruzamentos. Aliás, cruzamentos, esquinas, são pontos de força dessa Entidade. Vira e mexe a gente se depara com um Tranca-Ruas parado numa esquina, de sentinela, vigiando e agindo contra o baixo-astral. Quem tem vidência, consegue enxergar. Os médiuns sensitivos conseguem sentir a presença deles nas esquinas e nos cruzamentos.

É lógico que não vai ser todo cruzamento ou toda esquina que vai ter um Exú Tranca-Ruas, né? Até porque eles se deslocam de um lado para o outro com bastante rapidez. Mas a probabilidade de você estar acopanhado por um Exú Tranca-Ruas numa esquina é muito grande!

Se você tem vidência, muito provavelmente, você já viu uma pessoa na rua, ou melhor, um espírito, usando cartola e vestindo uma roupa social do século 17 ou do século 18. Se você já viu um espírito assim, muito provavelmente, você viu um Exú Tranca-Ruas. Porque os Tranca-Ruas tem, como regra, usar essas roupas de época.

Daí, você pode perguntar para mim: Mas por que que esses espíritos se apresentam usando essas roupas antigas? É porque eles gostam? Não sei gente… talvez. Talvez eles gostem de se vestir assim, mas o principal motivo que eu entendo, pelo qual eles se apresentam dessa maneira é para serem identificados como pertencentes a determinada falange. É como se fosse um uniforme de trabalho, sabe?

Da mesma maneira que aqui na Terra, a Polícia Militar usa o uniforme dela, os bombeiros usam um uniforme diferente, os médicos tem um outro tipo de vestimenta, os soldados usam uma farda e tal… Assim também ocorre no mundo espiritual.

Os Exús Tranca-Ruas se apresentam com o uniforme característico deles, que geralmente é uma capa e cartola. É diferente, por exemplo, dos espíritos que trabalham na linha do Zé Pelintra. O Zé Pelintra geralmente se apresenta usando um chapéu panamá e um terno de linho branco. É o uniforme que eles usam para se apresentar no trabalho espiritual. Bom, mas vamos lá… O assunto hoje não é Zé Pelintra, o assunto é Tranca-Ruas.

A cor da vestimenta com que esses espíritos se manifestam vai variar muito. Vai depender muito do campo vibratório onde eles atuam e para qual hierarquia eles estão subordinados. Por exemplo, é muito comum um Tranca-Ruas que trabalha no campo vibratório das encruzilhadas usar uma capa azul e vestir uma calça vermelha. É assim que eles se apresentam para os encarnados e desencarnados. Esse é o uniforme de trabalho dessa falange específica.

O Tranca-Rua das almas, por outro lado, que vibra na calunga pequena, (vocês sabem né? Calunga pequena é o cemitério). Esses Tranca-Ruas, geralmente se apresentam usando o branco: cartola branca, capa branca e calça branca. O branco, geralmente, é a cor característica dos espíritos que trabalham na linha das Almas. Afinal de contas, os pretos-velhos também usam o branco. E o Tranca-Rua das Almas, como o próprio nome diz, está muito ligado a essa energia do cemitério.

E o interessante, gente, aproveitando que a gente está falando sobre Tranca-Rua das Almas, é que ele tem uma atribuição muito importante, dentro do cemitério, não apenas para proteger o campo santo da investida de kiumbas, mas também para ajudar almas perdidas a encontrar o caminho da luz. É muito bonita essa atividade que ele faz dentro do cemitério de ajudar os espíritos perturbados a encontrar o seu caminho. Não raras vezes, o Tranca-Rua das Almas é aquela Entidade que escolta os espíritos recém-desacoplados dos seus corpos físicos mortos, do cemitério até uma colônia espiritual de recuperação.

Agora, a atividade dos Tranca-Ruas das Encruzilhadas, ou dos Tranca-Ruas das Estradas já é bem diferente. Não tem nada a ver com cemitério. O trabalho deles é manter a ordem, aprisionar espíritos delinquentes que estejam querendo prejudicar as pessoas, proteger aqueles que tem merecimento para receber proteção, mas também eles acabam encaminhando eguns que estão precisando de ajuda (eguns, para quem não sabe, é qualquer espírito desencarnado). Da mesma maneira que o Tranca-Rua das Almas ajuda os eguns no cemitério a encontrar o caminho da luz, o Tranca-Rua das Encruzilhadas ou o Tranca-Rua das Estradas também faz a mesma atividade. Apenas o campo vibratório que é diferente.

E assim, pessoal, vocês que tem Exú Tranca-Ruas como padrinho espiritual, saibam que ele exige muito caráter dos seus médiuns. Eles exigem que os seus médiuns sigam no caminho reto da evolução. E olha, eu vou dizer uma coisa para vocês: Exú Tranca-Ruas não é nem um pouco sentimentalista. Ele faz o que tem que fazer, doa a quem doer. E se ele já é exigente com outras pessoas, ele se torna muito mais exigente com seus aparelhos mediúnicos. Então, você que recebe Tranca-Ruas, fica esperto! Cuida das suas atitudes e das suas palavras para que elas sejam a mais correta possível. Porque senão, Tranca-Ruas vai passar uma lição dura para vocês aprenderem. E é melhor aprender por bem do que aprender por mal, né?

Tranca-Ruas está pouco se lixando se você vai sofrer, porque ele sabe que o sofrimento também é um agente purificador. De uma maneira ou de outra, ele vai te guiar pelo caminho da evolução. Depende apenas de você escolher a maneira com que ele vai atuar na tua vida. Se você for um médum correto, um médium receptivo, um médium propenso a fazer coisas boas, ele vai te guiar com bons conselhos e abrindo oportunidades para que você cresça, tanto na sua vida pessoal quanto na sua vida profissional.

Agora, se você for uma pessoa da pá-virada, se prepara porque a lição vai ser dura. Você vai ver o lado mais sombrio de Tranca-Ruas na tua vida. Ficou com medo disso que eu falei? É para ter medo mesmo! Trabalhar com Exú é coisa séria. Eles não estão para brincadeira.

Bom, eu falei para vocês que um dos pontos de força de tranca-ruas são as encruzilhadas, né? Muita gente procura as encruzilhadas para levar oferendas para tranca-ruas. Mas também existem outros campos vibratórios de Tranca-Ruas. Você pode fazer as suas oferendas e suas preces nas estradas ou nos trilhos de trem. Porque lembra que eu disse? Tranca-Ruas vibra na força de Ogum. Então, nada mais natural do que você procurar um ponto de força desse Orixá para saudar Tranca-Ruas.

E pelo fato de Tranca-Ruas carregar esse poder de Ogum, ele faz um trabalho muito forte de prosperidade. Tranca-Ruas é mestre em abrir e fechar os caminhos das pessoas. Se você pedir para Tranca-Ruas, ele também pode ajudar muito na tua prosperidade material, na tua prosperidade profissional, ele pode te ajudar a ter condições de viver uma vida digna.

Eu já tive a oportunidade de conversar com alguns Tranca-Ruas, tanto da encruzilhada como do cemitério. E nessas conversas, eu percebi o seguinte: Geralmente, os Tranca-Ruas das Encruzilhadas são mais falantes, eles são mais articulados. Tranca-Ruas das encruzilhadas gosta de conversar. É diferente do Tranca-Rua das Almas. Os Tranca-Ruas que trabalham no cemitério costumam ser mais reservados. Eles não gostam de falar muito. Eles são mais quietos, eles são mais retraídos. Então, você consegue identificar um Tranca-Ruas, se ele é do Cemitério ou se ele é da Encruzilhada, até pelo comportamento da Entidade.

Eu, infelizmente, não tenho Tranca-Ruas na minha trama espiritual. Pelo menos, até hoje, eu não tive a incorporação de um espírito que trabalha na falange de Tranca-Ruas. Bem que eu queria ter, porque eu acho uma manifestação linda! Mas eu não tenho. E é engraçado, porque quase todos os terreiros de Umbanda que eu conheci até hoje trabalham com Tranca-Ruas. Pelo menos um médium na corrente recebe essa Entidade. Tranca-Ruas é uma falange muito atuante nos terreiros de Umbanda.

E não poderia deixar de ser, né? Porque os terreiros, pelo menos a sua grande maioria, existem nas cidades. E como eu disse para vocês antes, Tranca-Ruas é urbano, ele gosta de aglomeração, ele trabalha em lugares que tem muita movimentação de pessoas. Pelo menos assim são os Tranca-Ruas das Encruzilhadas, né?

Pode haver um Tranca-Ruas que trabalha em um lugar mais remoto? Até pode! Um Tranca-Ruas da Estrada, por exemplo. Não necessariamente ele vai atuar dentro das cidades. Também tem o Tranca-Rua das Cancelas que atua em zonas rurais. Mas, de uma maneira geral, os Tranca-Ruas ficam sempre em lugares onde existem fluxo de pessoas, em maior ou menor intensidade.

E assim, gente, aproveitando que eu estou falando de Tranca-Ruas, eu queria passar uma mensagem para vocês: Não só os Tranca-Ruas, mas qualquer Exú que trabalha na Umbanda, eles se esforçam pela nossa evolução, mas eles entendem as nossas limitações como pessoas.

Um Exú não quer que a gente vire santo de uma hora para outra, mas eles querem que nós sejamos atuantes, sejamos proativos para buscar aquilo que vai nos fazer crescer. A gente precisa aprender a agir positivamente dentro dessa bolha de vida encarnada que cada um de nós recebemos. A gente precisa usar o tempo que dispomos aqui na Terra para aprender, para conhecer, para entender a nossa situação atual e a caminhada que a gente precisa fazer para chegar onde precisamos ir. E os Exús atuam muito nessa missão, seja por meio de orientações, seja por meio de oportunidades que eles colocam em nossas vidas, seja por meio de empurrões e cutucões que vão nos tirar da nossa zona de conforto.

Então, aproveitem a vida de vocês para aprender, seja por meio de livros, seja por meio de cursos, através de experiências. Saibam identificar os vários caminhos que existem para que possamos evoluir. E quando você chegar numa das encruzilhadas da vida, em que você tenha que tomar decisões importantes, pára, reflete e pede orientação para Exú. Porque eles são os donos das encruzilhadas, sejam as encruzilhadas do mundo, da matéria física, sejam as encruzilhadas do nosso destino.

Mas independente do caminho que você resolva seguir, esse caminho sempre vai estar permeado de muito aprendizado, muita sabedoria. Esse aprendizado você adquire, às vezes por meio do estudo, às vezes por meio do sofrimento. Mas o aprendizado da experiência sempre vai ser absorvido pela sua alma.

É através do sofrimento, das nossas caminhadas pelo mundo, das dores que nós vamos nos renovando, que nós vamos transmutando o nosso ser na alquimia da existência. É através do nosso esforço que um dia, nós iremos galgar degraus mais elevados da nossa vida imortal. A missão dos Exús aqui na Terra é moldar a nossa rebeldia, é colocar um cabresto nas nossas atitudes inconsequentes, para que a gente não se perca no caminho.

Exú quer que nós possamos desenvolver a nossa compreensao, que nós possamos ter a percepção clara do que é certo e do que é errado, que nós possamos seguir construindo sempre, fazendo boas obras, beneficiando outras pessoas, esquecendo que através das nossas boas atitudes, nós seremos os maiores beneficiados.

Então, vamos reverenciar Exú, sempre com muito amor, com muito carinho. Vamos pedir a Exú coragem para continuarmos a nossa viagem, proteção para os perigos do mundo que possam nos atingir… Vamos pedir a Exú que nos oriente com um objetivo, para que a nossa vida não passe em branco, para que a nossa vida tenha um significado.

Lembrando, gente, que exú não quer ver lamentação de ninguém. Exú não gosta de lamentações, Exú gosta de atitudes. Seja uma pessoa de atitude, se você quiser conquistar a simpatia do teu Exú. Faça ele se orgulhar de você pelos méritos que você está construindo. Não faça o Exú se envergonhar das tuas fraquezas. Lute contra elas. Alimente apenas aquilo que é bom em você e sufoque aquilo que te faz mal. Eu tenho certeza que eles vão te ajudar muito nesse processo.

Bom, eu espero que vocês tenham gostado do episódio de hoje. Saravá a essa falange maravilhosa de Tranca-Ruas que zelam pela nossa proteção e nos amparam nos desafios da vida! E se vocês gostaram do episódio de hoje, eu espero que vocês continuem acompanhando o Alma de Poeta, seja pelo nosso site, seja pelas plataformas de áudio. Nós estamos presentes no Deezer, no Spotify, no Amazon Music, Google Podcast, Apple Podcast, Youtube… ou se você preferir, acessando almadepoeta.com.br.

Um grande abraço, meus irmãos, fiquem com Deus! E que Tranca-Ruas possa abrir o caminho de todos vocês para as coisas boas e fechar os caminhos para tudo o que é ruim. Até o nosso próximo encontro! Laroiê Exú! Exú é mojubá!

Deixe seu comentário

Mais deste assunto

Episódio 7
Nenhum número escolhido ainda